Publicidade

06 de Dezembro de 2013 - 07:00

Dirigido pela atriz e cineasta portuguesa Maria de Medeiros, filme "Repare bem" retrata vida de sobreviventes da ditadura militar

Por MAURO MORAIS

Compartilhar
 
Vítima da ditadura, Denise Crispim acompanha exibição hoje na cidade
Vítima da ditadura, Denise Crispim acompanha exibição hoje na cidade

Antes mesmo de nascer, o abandono. Antes do primeiro choro, antes de abrir os olhos para o mundo, a rejeição de sua terra natal. "Se pudesse a história voltar para o passado, eu iria dizer para o meu pai: 'me deixa alguma coisa, me deixa fotos, alguma coisa que me conte quem é você'", emociona-se Eduarda Ditta Crispim Leite, aos prantos, em certa passagem do filme "Repare bem". O documentário, assinado pela atriz e cineasta Maria de Medeiros ("Pulp fiction" e "O contador de histórias"), ganha exibição na cidade, nesta sexta, às 18h30, no Museu de Arte Murilo Mendes (Mamm).

Filha de Denise Crispim e do militante da luta armada Eduardo Leite, o "Bacuri", Eduarda é fruto da ditadura militar. Seu pai foi morto aos 25 anos, depois de 109 dias de tortura, em 1970. Filha de pais militantes, Denise engravidou justamente quando sua família tornou-se alvo dos militares. Com o irmão assassinado, a mãe presa e o namorado sendo torturado, e carregando Eduarda no ventre, a mulher se asilou no Chile, mas o governo, igualmente ditatorial de Augusto Pinochet, a fez novamente transferir-se, desembarcando na Itália. O momento deixou marcas no país e outras, ainda mais profundas, em mãe e filha.

"Interessava-me saber como minha geração, de filhos de perseguidos políticos, veem o processo político hoje", comenta Ana Petta, idealizadora do filme e produtora geral, cujo primeiro contato com a história se deu com Eduarda. No decorrer da pesquisa, Ana se deparou não apenas com duas gerações, mas três. A mãe de Denise, a operária Encarnación, foi uma presa política casada com o deputado comunista José Maria Crispim, que viveu exilado. O casal ainda teve Joelson Crispim, também morto por sua militância, em 1970. "O documentário conta a saga de uma família com três gerações vítimas de perseguição", completa Ana, que vem à Juiz de Fora junto de Denise, para a exibição.

"Foi um processo muito doloroso por resgatar uma trajetória de tortura e morte, mas também foi importante, principalmente, porque possibilitou a Eduarda construir sua própria identidade", diz a produtora. Hoje Eduarda, que nunca mais voltou ao Brasil, vive na Holanda e é mãe de duas crianças. Anistiada pelo governo brasileiro, Denise regressou para sua terra no mesmo momento em que o filme tomava forma. "O 'Repare bem' acabou sendo um processo terapêutico de reelaboração da história. A busca dessas mulheres ainda é por justiça, por verdade. Essa dor nunca vai acabar", reflete Ana.

Apesar de ser impossível reconstruir o caminho e fazer tudo diferente, para Denise e Eduarda um reconhecimento público das marcas que o Estado lhes deixou sempre se fez importante. Com a instituição da Comissão Nacional da Verdade, em novembro de 2011, a reparação aconteceu. "A importância disso é pelo lado simbólico muito grande, mostrando que aquela luta pela democracia fazia sentido. A Eduarda diz que, com o pedido de perdão do governo brasileiro, nasceu de novo, saiu da clandestinidade, já que consegue inserir o nome do pai na certidão de nascimento", afirma Ana Petta.

Utilizando-se da poesia que há no ato de resgatar a memória, mas também lançando mão de descrições dos brutais procedimentos de tortura, o documentário revela uma mulher, já madura, com absoluta clareza do papel de sua geração, e outra, mais nova, em busca de sua identidade, afinal, suas raízes lhe foram, de forma bárbara, arrancadas. "Essa dor que nunca cessa vem por tudo o que aconteceu, mas também pelo que ficou engasgado por muitos e muitos anos. A revisão histórica faz com que novas gerações compreendam o passado e não deixe que isso aconteça novamente", avalia Ana. Dessa forma, o título, "Repare bem", torna-se não apenas um clamor por retratação, mas um desejo de que o país se atente para as lágrimas que fez e ainda faz cair.

"REPARE BEM"

Documentário exibido hoje, às 18h30

Museu de Arte Murilo Mendes

(Rua Benjamin Constant 790)

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?