Publicidade

11 de Dezembro de 2013 - 07:00

Dubrovnik: para 'se perder' na Croácia

Por THIAGO CASTRO consultor de viagens

Compartilhar
 
Thiago posa na Stradun, calçadão que interliga diversas ruelas de Dubrovnik
Thiago posa na Stradun, calçadão que interliga diversas ruelas de Dubrovnik

Tudo começou com a chegada ao aeroporto de Dubrovnik, de onde a gente tira a primeira impressão dos croatas - a educação e a simplicidade ao receber o turista. Do aeroporto ao hotel onde eu e o grupo que acompanhei nos hospedamos, são aproximadamente 20km de deslumbramento. Você pode fazer esse trajeto de taxi ou ônibus comum, deliciando-se com o visual da estrada, que corta as montanhas até chegar ao centro. O mar azul do Adriático é de tirar o fôlego, as montanhas, salpicadas de oliveiras e parreiras, já antecipam as delicias que virão para a mesa.

O clima da cidade não poderia ser diferente: é despretensiosamente praiano. Chegando ao centro, você se depara com as muralhas da Old Town - Cidade Velha -, a menina dos olhos de Dubrovnik. Entrando pelo portão de Pile, dá para ver a Stradun, um calçadão largo e por onde você passará várias vezes sem se cansar: cafés, restaurantes e lojinhas de souvenir se misturam, e pessoas do mundo inteiro circulam por ali. Um detalhe que me chamou muito a atenção foi o brilho do chão da Stradun e de quase todas as ruelas da Cidade Velha. Sem circulação de carros, a Stradun acaba sendo "lustrada" pelas pessoas que passam por lá, fazendo com que o chão pareça encerado.

Logo no início deste calçadão, avista-se a Grande Fonte de Onofrio, de onde saem todos os city tours. A guia explicou que existem aquedutos que transportam água potável para as fontes da cidade. Não me fiz de rogado e logo enchi minha garrafinha. Percorri toda a extensão da Stradun até chegar à Torre do Relógio, Palácio Sponza - que era a alfândega do porto de Dubrovnik - e o porto antigo. O bacana é andar sem se preocupar em se perder, porque, a cada ruela, há praças com uma fonte no meio e rodeadas de barzinhos, restaurantes e cafés: todas as vias desembocam na Stradun.

O ponto alto foi subir as escadarias que dão no topo da muralha e andar por lá. O visual é surpreendente. Telhados alaranjados contrastam com a cor do céu no pôr do sol, compondo o cenário.

Eu não resisti quando vi uma praia pública do lado de fora da muralha e aproveitei meu tempo livre para desfrutar das águas transparentes do Adriático. Outra opção - bem mais cara- são os bares e hotéis com praias privativas. Nesses, você tem de pagar um valor mínimo de consumação para usá-las. É uma dica para quem quer conforto de espreguiçadeiras e atendimento VIP. Existem várias dessas praias, com aluguel de caiaque e tour de barco pelas ilhas. Vale a pena.

À noite, o point continua sendo a Cidade Velha. Os restaurantes ficam lotados, música ao vivo por todos os lados e uma profusão de gente bonita do mundo inteiro. O charme da cidade, o clima de praia e a beleza das pessoas, fazem de Dubrovnik a Pérola do Adriático.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?