Publicidade

09 de Abril de 2014 - 06:00

De volta ao tempo dos incas

Por FLÁVIA FERREIRA, BANCÁRIA E SOCIÓLOGA

Compartilhar
 
Ricardo Capra e Flávia Ferreira no Peru
Ricardo Capra e Flávia Ferreira no Peru

Começamos nossa viagem ao Peru pela capital Lima, banhada pelo Oceano Pacífico, com uma população de quase nove milhões de habitantes. É a quinta maior cidade da América do Sul, e nessa época do ano possui um clima muito agradável com temperatura média de 25º. E caracteriza-se pela ausência da chuva. É uma cidade que conserva os sítios arqueológicos da época pré-inca em meio a modernos prédios e cassinos suntuosos. Elegemos Miraflores para nos hospedar, um dos melhores bairros de Lima com excelentes opções de bares e restaurantes.

À noite, um bom programa é a visita ao Parque de La Reserva, que abriga o circuito das águas com 13 fontes iluminadas, uma delas com jatos de 80 metros de altura, impossível não se encantar com um espetáculo de cores e luzes na água. Após conhecermos a capital do Peru, mergulhamos na história da capital do Império Inca, Cusco. Conta a lenda que o primeiro Inca Manco Capaq e sua irmã Mama Ocllo chegaram a Cusco pelo Lago Titicaca para ali fundarem a capital do Império Inca, isso se deu através de uma revelação que tiveram de Inti, o Deus Sol.

Cusco é o umbigo, o centro, o lugar onde nasce o universo. Nos dias que lá estivemos, pudemos sentir toda a energia que emana daquele maravilhoso lugar. Qorikancha, por exemplo, foi erguido pelos incas para reverenciar Inti. O templo possui uma belíssima arquitetura com suas paredes inclinadas capazes de resistir aos terremotos e à invasão espanhola. Intriga-nos a capacidade e o conhecimento de física, matemática e engenharia daqueles povos no século XVI. A 3.600 metros acima do nível do mar, Sacsayhuaman conseguiu nos deixar ainda mais admirados, local construído majestosamente para depósitos de alimentos, armas e principalmente para guarda de objetos das cerimônias que lá aconteciam. Os incas eram exímios topógrafos. Lá observamos canais hidráulicos que permitiam a drenagem das águas da chuva.

O Valle Sagrado dos Incas, Pisac, Moray, as salinas de Maras, Chinchero, Ollantaytambo, tudo rodeado por impressionantes montanhas e com um maravilhoso som de numerosos riachos, oferecem um ambiente de pura magia e encanto. Ao chegarmos a Machu Picchu, aprendemos a valorizar nossa natureza e, como os incas, independentemente de nossas religiões, agradecer aos astros. Para eles, o Sol, a Lua, os raios, o arco-íris e a Terra eram suas divindades mais importantes. Tudo isso faz dessa uma viagem transcendental.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?