Publicidade

28 de Fevereiro de 2014 - 06:00

Tribuna foi às ruas saber o que os juiz-foranos pensam sobre a antecipação do carnaval. Sem muitas opções na cidade, população planeja descansar e viajar

Por MARISA LOURES

Compartilhar
 

Com o desfile da Banda Daki amanhã, chega ao final o período de carnaval em Juiz de Fora. O cenário é o mesmo de um ano atrás, quando o bloco quarentão reúne uma multidão na avenida atrás dos trios elétricos. Às 12h30, será feita a solenidade simbólica de entrega da chave da cidade ao Rei Momo. O ato sempre deu largada para a festa. Neste ano, contudo, ele acontece no encerramento do Corredor da Folia. No dia em que os quatro cantos do país se entregam ao período de diversão, o município descansa. A decisão de antecipar a programação por aqui foi tomada como uma forma de atrair o público da região. Muitos aprovaram a medida, podendo, agora, fazer uma viagem sem carregar a culpa de ter perdido os desfiles das escolas de samba e de blocos locais, mas ela não é unanimidade.

No ritmo do carnaval sem festa, resta a alguns se virarem com o que têm em casa. Algumas casas noturnas estarão fechadas. Entre as opções, estão as músicas ao vivo em barzinhos e os cinemas, que trazem quatro estreias (ver página 3). A Tribuna foi às ruas na tarde de ontem para saber o que o juiz-forano pensa sobre o assunto.

"Não gostei da antecipação, porque trabalhei todos os dias. Agora, que tenho folga, vou ficar só em casa com os meus filhos. Minhas expectativas de diversão foram por água abaixo. Vou assistir a um filme comendo pipoca. Também vou entrar na internet para passar o tempo", conta a operadora de telemarketing Katiany Alcântara Motta, 27 anos.

Para Diego Condé, 26 anos, a resolução significa estar livre para colocar o pé na estrada com a banda da qual faz parte. "Vou tocar em São José do Rio Preto", diz. "A antecipação influenciou na questão do turismo. A região toda veio e aproveitou a mudança. Curti o Come Quieto e o Parangolé Valvulado sem briga e sem violência", afirma Condé, dividindo a opinião com o vigilante Wanderson Luiz de Oliveira, 33 anos. "Foi uma boa ideia, porque, no feriado mesmo, todo mundo vai para o Rio de Janeiro. Quase ninguém fica aqui, pois a gente sabe que as agremiações de lá têm mais força. Uma ala da escola carioca é muito maior do que uma escola inteira daqui. Antecipando, a Prefeitura ganhou uma verba a mais", afirma Oliveira. O vigilante conta que não curtiu a folia por opção, pois é evangélico. Independentemente da data de realização do carnaval, o destino dele já estava certo. "Vou para um retiro espiritual."

 

Debate na rua

Embora não seja da cidade e não frequente a festa de Juiz de Fora, a designer Alessandra Guimarães, de 42 anos, comenta que mudar a data do carnaval prejudica quem não pode acordar cedo para curtir os shows. "Minha funcionária não gostou muito, porque esteve ocupada neste período. Isso faz perder o pique de carnaval", observa ela, que é de São João del Rei e vai passar o período na cidade natal. "Para mim, tanto faz. Não me interesso pelo carnaval. Não fui a nenhum bloco", diz a estudante Helen Souza, de 15 anos. Ela vai aproveitar para descansar em Torreões. "Não tem nada a ver. Carnaval é carnaval e tem que acontecer na época correta. A gente não vai deixar os compromissos de lado para ir a bloco", enfatiza Amanda Lorena Dias Gomes, 30 anos, fisioterapeuta.

Rainha do carnaval 2012, a integrante da Turunas do Riachuelo Marcela dos Santos, 30 anos, gostou da alteração, já que a Passarela do Samba, segundo ela, teve mais espectador em 2014. "A cidade esteve mais cheia, e a população participou bastante. Quero que isso aconteça nos próximos anos." Natural de Juiz de Fora e comprometida com a festa local, ela já programou rumar para o destino mais procurado por juiz-foranos. "Vou para Cabo Frio."

 

Em 2015, festa também pode ser adiantada

De acordo com o superintende da Funalfa, Toninho Dutra, a estimativa de público do Corredor da Folia já é de 120 mil pessoas. Só pela Passarela do Samba, o número de espectadores chegou à casa dos 20 mil, entre arquibancadas, camarotes e dispersão. Foram dez dias de atrações locais e de fora, com apresentações de grupos, como Casuarina, Demônios da Garoa e Sururu na Roda."Teve evento que triplicou a quantidade de público, mas também temos que nos perguntar qual a nossa capacidade de público para termos uma festa com segurança e conforto. É um conjunto de questões a que temos que responder", destaca.

Toninho ressalta que a antecipação ocorreu somente com os desfiles das escolas de samba, já que o Corredor da Folia já acontecia antes da programação da avenida. "Tivemos uma avaliação positiva das escolas. A avenida esteve mais cheia do que nos últimos anos. Até o momento, houve avanço", afirma o superintendente.

Para março, já está agendada uma série de reuniões, que discutirá a mudança da data. Todos os setores envolvidos com o carnaval participarão das discussões - produtores de eventos, Liga das Escolas de Samba, representantes da saúde, Corpo de Bombeiros e Cesama. "O que está apontado é que faríamos dois anos seguidos de desfile antecipado para ver como a coisa funciona. No próximo ano, já não é mais novidade, as coisas se acomodam, erros são corrigidos. Como em qualquer cidade do país e do mundo, o trânsito sofrerá com as mudanças. Em 2012, tivemos um nó no trânsito, porque as pessoas estavam saindo de viagem", observa o superintendente.

Caso o juiz-forano não viaje, poderá curtir o ócio merecido ou escolher uma das atrações previstas para o descanso ampliado. As opções não são muitas, mas existem. Além do documentário "Justin Bieber's Believe", voltado para fãs do ídolo teen (ver página 4), as estreias nas telonas são "A grande beleza", de Paolo Sorrentino (Palace), "As aventuras de Peabody e Sherman", animação dirigida por Rob Minkoff (UCI, Cinemais Alameda e Santa Cruz), e "Sem escalas", suspense de Jaume Collet-Serra (UCI, Cinemais Alameda e Santa Cruz). No Shopping Independência, a rede UCI Kinoplex funcionará, de amanhã até terça-feira, das 10h à meia-noite. Na Quarta-feira de Cinzas, o serviço estará disponível das 13h às 22h30.

Quem gosta de rock poderá aproveitar o Grito Rock, que oferece, entre 4 e 9 de março, shows, sessão de filmes, debates e oficinas. Promovido pela Rede Fora do Eixo, em vários pontos, o evento tem programação disponível no Facebook. Neste sábado, o dia começa quente com a apresentação da Banda Daki. Outros destaques de amanhã são o Bal Masqué XX, baile de máscaras no Muzik, a partir das 22h, Samba do Miranda, às 16h, no Pier Sushi Bar, e o show de Serjão e o grupo Argumento do Samba, às 20h, no Clube Cascatinha. A matinê da Banda Daki no Clube Bom Pastor, no domingo, às 16h, será a diversão dos pequenos. O show do Quinteto São do Mato desta segunda, no Brasador Steakhouse, fisgará quem gosta de música ao vivo. A Mansão apostou no sertanejo de Fabrício & Gabriel, neste sábado, reabrindo somente na próxima quinta-feira. Já o Cultural Bar ficará em recesso durante todo o carnaval.

O Centro Cultural Bernardo Mascarenhas e a Biblioteca Municipal Murilo Mendes encerram as atividades hoje e retornam na quinta-feira, 6, quando também serão reabertas as galerias do Forum da Cultura. O passeio no parque do Mariano Procópio continua normalmente, sábado, domingo, terça e quarta, das 8h às 18h.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?