Publicidade

04 de Abril de 2014 - 06:00

Bernardo Fabris Quinteto ministra workshop e faz show hoje na cidade

Por RENATA DELAGE Repórter

Compartilhar
 
Bernardo Fabris foi premiado como melhor arranjador pelo Prêmio BDMG Instrumental, em 2011
Bernardo Fabris foi premiado como melhor arranjador pelo Prêmio BDMG Instrumental, em 2011

Juiz de Fora é a próxima cidade mineira a receber o show do Bernardo Fabris Quinteto, integrando o circuito "Pelos caminhos de Minas". O saxofonista, arranjador e compositor se apresenta no teatro da Sociedade Filarmônica, hoje, às 20h. O projeto, que tem o apoio da Lei de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, já passou por Ouro Preto e Ipatinga e segue para Belo Horizonte e São João del-Rei. A distribuição dos ingressos será realizada uma hora antes do espetáculo.

O músico se apresenta ao lado de Gustavo Figueiredo (piano), Hudson Vaz (bateria), Thiago Nunnes (guitarra) e Yan Vasconcellos (baixo acústico). No repertório do show estão composições autorais de Bernardo Fabris e arranjos para temas de autores consagrados, presentes em seu trabalho de estreia, "Quinteto". Carioca, Fabris é doutor em música pela Unirio - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - e já se apresentou nos principais festivais de música instrumental do país.

O disco traz destaque para a música popular brasileira, sob o viés da contemporaneidade, com abordagem de diversos gêneros, como samba, bossa nova, baião e valsa, além das linguagens do jazz, música de câmara e rock. "A música instrumental, a partir do Quarteto Novo, no fim dos anos 1970, começa a ser feita com referências de outros ritmos que não somente o samba (nacional) e o jazz (internacional). Até hoje se dá dessa forma. Exploro referências distintas do que vem sendo produzido, com experimentações sonoras, mas sempre muito atrelado à música brasileira, ao universo regional."

Um dos arranjos de Fabris, criado para a música "Insensatez", de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, foi vencedor, em 2011, do Prêmio BDMG Instrumental. "Escrevo os arranjos para o grupo e também para outras formações, uma prática que acontece com certa frequência, apesar de eu ser, primordialmente, intérprete", diz Fabris.

"Logo que submetemos nosso projeto à lei, pensamos em divulgar o trabalho regionalmente e levar o show a polos mineiros, onde haveria interesse nos workshops. Quatro dos cinco municípios escolhidos têm cursos superiores de música. São cidades produtoras e divulgadoras de cultura", justifica.

Em Juiz de Fora, o workshop gratuito ministrado pelo quinteto acontece hoje, às 16h, também no teatro da Sociedade Filarmônica. "A oficina não é apenas voltada ao público específico. Em outra cidade, por exemplo, foi realizada em uma escola, em formato de concerto didático. Procuramos adaptá-la ao público interessado. Apresentamos músicas do repertório, abordamos a prática musical instrumental, o processo de composição, arranjo e outros assuntos que permeiam a prática", diz.

O grupo, formado em 2011, já se apresentou em duas edições consecutivas no Prêmio BDMG Instrumental, sendo finalista em uma delas. O quinteto também participou do Festival Festa da Música de Belo Horizonte - no qual realizou a abertura dos shows de Kiko Continentino Trio e Jacques Morelembaum -, do projeto "Quarta jazz", do Sesc Palladium, e do "Savassi jazz & lounge".

Segundo o instrumentista, no fim do ano, o quinteto deve se dedicar à gravação independente do próximo trabalho, inteiramente autoral, que tem previsão de lançamento para 2015.

BERNARDO FABRIS QUINTETO

Hoje, às 20h

Sociedade Filarmônica de Juiz de Fora

(Rua Oscar Vidal 134)

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a realização de blitze seria a solução para fazer cumprir a lei que proíbe jogar lixo nas ruas?