Publicidade

08 de Maio de 2014 - 06:00

Segunda edição do Festival de Gargalhadas reúne oito comédias no Teatro Pró-Música

Por RENATA DELAGE

Compartilhar
 

Está aberta, a partir de amanhã, a temporada de risos no Teatro Pró-Música. A data marca a estreia do segundo Festival de Gargalhadas, que contará, em 2014, com oito espetáculos de comédia. Desses, quatro aparecem pela primeira vez no festival, sendo um deles inédito na cidade. "Comi uma galinha e tô pagando o pato", montagem de Belo Horizonte que conta com o ator Carlos Nunes, chega pela primeira vez a Juiz de Fora, trazendo a política brasileira como o tema.

Na peça, Nunes interpreta o presidiário Zé Antônio, narrando, com humor e ironia, como foi parar na prisão após roubar a galinha de estimação da filha de um deputado. Na narrativa, por causa do ocorrido, o deputado entra com um projeto de lei em Brasília para transformar a galinha em animal sagrado no Brasil, assim como a vaca é na Índia.

O ator retorna ainda à cidade com "Como sobreviver em festas e recepções com buffet escasso". Inspirada na publicação "Manual de sobrevivência em recepções e coquetéis com buffet escasso", do mineiro Ângelo Machado, a adaptação conta as experiências de um penetra em várias festas onde nem sempre a comida e a bebida são suficientes para todos os convidados.

Também de Belo Horizonte, "Os homens querem casar e as mulheres querem sexo" volta a encontrar o público juiz-forano. No palco, Marcelo Ricco interpreta Jonas, um rapaz que sonha em se casar e faz de tudo para encontrar uma mulher para dividir a intimidade de um casal. Frequentador assíduo de casamentos, de conhecidos e desconhecidos, Jonas briga por todos os buquês. Depois de diversas tentativas frustradas, ele encontra seu lado feminino e desabafa com frases como: "estou cansado dessas mulheres só me usarem" e "quero alguém para dormir de conchinha".

Idealizador do festival, o ator e diretor Cláudio Ramos reapresenta cinco produções já bem conhecidas do público local. "O filho da mãe", "Minha sogra é um pitbull" e "Fulaninha e Dona Coisa" retornam ao evento, ao lado de duas comédias que há algum tempo não eram apresentadas na cidade, "Lugar de mulher... Uma sátira ao machismo" e "Velório à brasileira". "Lugar de mulher é o carro-chefe da minha carreira, com mais de mil apresentações. O público vinha pedindo para que retornasse com essas peças", diz Ramos. "Isso é algo curioso. Os espetáculos mais lotados são justamente aqueles que já apresentamos várias vezes. O público gosta de ver em cartaz peças que já tem alguma referência sobre, volta para rever e indica para os amigos", completa.

Sempre em contato com a plateia - já que divulga diariamente suas produções na porta do Pró-Música -, o ator diz ter criado o festival a pedidos. "Muitos espectadores sentiam falta de ter em cartaz espetáculos de qualidade e a um preço acessível, em um período além da Campanha de Popularização, em janeiro. Tentamos preencher essa lacuna", explica o organizador. Para não apresentar as mesmas montagens em um curto período, Ramos optou por não participar da campanha no início do ano.

Cerca de cinco mil espectadores assistiram aos espetáculos participantes da primeira edição do Festival de Gargalhadas. "Tivemos lotação completa em cerca de 60% das peças em 2013", comemora Cláudio Ramos, apontando a experiência como válida e digna de continuidade. "A ideia foi muito bem aceita pela plateia."

Um diferencial da iniciativa está relacionado a seu lado social, pois os preços dos ingressos são reduzidos a partir da doação de um litro de leite longa-vida. "No ano passado, arrecadamos cerca de 2.500 litros de leite, esse ano pretendemos conseguir mais", garante. Na última edição, quem doou uma caixinha do alimento conseguiu os ingresso por metade do preço. Este ano, o desconto será ainda maior (de R$ 30, as entradas passam a custar R$10), o que tem como objetivo estimular a doação até mesmo daqueles que já têm o direito da meia-entrada por lei, estudantes e idosos.

Outra novidade está relacionada ao direcionamento dos produtos arrecadados. Ao final de cada apresentação, o público poderá indicar instituições da cidade para figurarem como beneficiadas. As três mais votadas serão contempladas. "É uma forma de o público participar dessa escolha e possibilitar, ainda, que mais instituições possam ser assistidas", diz Ramos. No ano passado, o Abrigo Santa Helena, a Creche Antônio e Maria Geny e o Instituto Maria receberam de 800 a 850 caixinhas de leite, cada.

A venda de ingressos (de terça a sexta, das 13h às 19h; sábados, a partir das 22h; domingos, a partir das 15h; seguindo até as 21h, nos dias de espetáculo) acontece na portaria do Teatro Pró-Música (Av. Rio Branco 2.329) durante todo o festival.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a realização de blitze seria a solução para fazer cumprir a lei que proíbe jogar lixo nas ruas?