Publicidade

12 de Junho de 2014 - 06:00

16ª edição do Festival de Bandas Novas tem início na tarde deste sábado na Praça da Estação, com apresentação de seis grupos

Por JÚLIO BLACK

Compartilhar
 
Hellmask, do Rio de Janeiro, pretende mostrar seu dark metal inspirado em Slayer, Sepultura e Danzig
Hellmask, do Rio de Janeiro, pretende mostrar seu dark metal inspirado em Slayer, Sepultura e Danzig
A banda juiz-forana Usversus está de volta ao festival, apresentando o primeiro EP, "Seguindo em frente"
A banda juiz-forana Usversus está de volta ao festival, apresentando o primeiro EP, "Seguindo em frente"
Também da cidade, o grupo de heavy metal Royal Hawk retorna ao festival com quatro autorais
Também da cidade, o grupo de heavy metal Royal Hawk retorna ao festival com quatro autorais

O Festival de Bandas Novas tem início neste sábado na Praça da Estação, a partir das 16h, com a apresentação de seis grupos: os locais Tuka's Band, Usversus, Royal Hawk, Patrulha66 e Rock Celebration, além dos cariocas do Hellmask. Se parte deles é de veteranos convidados para o evento, outros foram selecionados de um total de 218 bandas que se inscreveram para o festival, com 21 selecionadas para as apresentações que vão se estender pelos próximos meses, tanto na praça quanto no CCBM. Entre as futuras atrações, Sobrecarga, Deadly Sin, Age of Grotesque e Roqueberto e Oscarlos. Os shows na praça têm entrada gratuita.

Quando teve início, em 1999, o Festival de Bandas Novas tinha caráter eliminatório e contou com a participação de 42 grupos, que se apresentaram em vários locais da cidade e teve o doom gótico do Autumn Flowers como grande vencedor. Sem o caráter de competição na atualidade, o evento segue organizado por Adriano Pollisseni, veterano do cenário local e um dos responsáveis por escolher os nomes que sobem ao palco, essencialmente ligados à fúria do punk, metal, grunge ou com o diferencial do indie rock. Ele destaca que cerca de 2.500 pessoas compareceram ao evento no ano passado, de acordo com informações que teriam sido passadas pela Polícia Militar, o que dá ao festival o diferencial de ser uma experiência marcante para os artistas novos. Além disso, ele - que também é vocalista e guitarrista do Patrulha66 - considera fundamental o apoio da prefeitura - por meio da Funalfa - para a realização e longevidade do festival. "A arte não pode ser elitizada ou negligenciada. Com o apoio público e a boa vontade da galera, o evento se torna gratuito ou muito barato, sendo acessível a todos", observa.

Das seis bandas escolhidas para abrir os trabalhos do festival em 2014, a única que vem de fora é a Hellmask, do Rio de Janeiro, que pretende mostrar seu dark metal inspirado em Slayer, Sepultura e Danzig, entre outros, para a alegria sombria da massa que veste preto. A banda, formada há pouco mais de um ano, flerta com o trash e o doom metal com letras de horror, ácidas e obscuras, tendo se apresentado em festivais na capital fluminense, como o Cprock. "Estamos no processo de gravação de nosso primeiro disco, 'Initium', que deve ser lançado até o fim do ano. As músicas do álbum serão tocadas no festival", adianta o vocalista Joseph Stones. Para ele, uma iniciativa como o Festival de Bandas Novas é importante exatamente por promover a divulgação de artistas com trabalho autoral, fugindo da supervalorização de quem faz apenas covers.

Com quase seis anos de estrada, os locais do Usversos vão aproveitar o festival para apresentar as músicas do seu primeiro EP, "Seguindo em frente", com suas sete canções disponibilizadas na internet (www.soundcloud.com/usversus/sets/seguindo-em-frene-ep) - entre elas, "Vingança" e "O homem que mudou o mundo". O guitarrista Anderson lembra que esta não é a primeira vez dos quatro rapazes no evento (com participações em 2009, 2010 e 2012), sendo que neste ano eles já apresentaram o som com influências do punk, hardcore e grunge em Petrópolis (RJ), Rio de Janeiro e Ubá. "Ter shows de rock abertos ao público é um ótimo incentivo. Sabemos que muita gente conheceu o nosso som por meio do festival, é um bom espaço para a troca de material entre as bandas, além de conhecer novas pessoas e trabalhos autorais", elogia.

Voltando ao mundo do metal, outra atração com trabalho autoral é a Royal Hawk. Formada em 2009 e retomando as atividades em 2013, o grupo de heavy metal tem quatro músicas. O baterista Thiago Amorim conta que o primeiro show do então quarteto (um quinto membro entrou para a banda este ano, adicionando uma nova guitarra) foi na 11ª edição do Bandas Novas, em 2009. Mas nem só de convites vive o Royal Hawk. "Organizamos em 2014 o festival 'The call of rock' no Black Gold Bar, onde também nos apresentamos em outras três oportunidades neste ano."

 

16º FESTIVAL DE BANDAS NOVAS

 

Neste sábado, a partir das 16h

 

Praça da Estação, com os grupos Tuka's Band, Usversus, Royal Hawk, Patrulha66, Hellsmask e Rock Celebration

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?