Publicidade

13 de Fevereiro de 2014 - 22:45

Por JÚLIA PESSÔA

Compartilhar
 
Jota Quest apresenta músicas do novo álbum
Jota Quest apresenta músicas do novo álbum

A exemplo do que vem acontecendo neste verão de 2014, a temperatura deve subir no Summer Festival, evento que reúne diversas atrações musicais no La Rocca nesta sexta-feira (14). Quem abre a noite é o ator e cantor carioca Thiago Martins, que traz todo o seu gingado em canções como "Adeus", "Por onde andará" e "Do outro lado do mundo", de sua careira solo, além de músicas do Trio Ternura, do qual o artista era integrante. Em seguida, os mineiros do Jota Quest tomam o palco, voltando à cidade com o último álbum "Funky funky boom boom", composto inteiramente por inéditas.

O duo de DJs Felguk, formado por Felipe Lozinsky e Gustavo Rozenthal, agita a pista encerrando o hall de atrações nacionais. No ano passado, os rapazes foram os únicos brasileiros na lista dos melhores DJs do mundo, chegando também ao primeiro lugar no "Top 50" da revista especializada "House Mag". Nos intervalos e fechamento da festa, o som fica por conta dos DJs residentes do Privilège Sandro Valente, Marquinhus SP e Amanda Chang.

Thiago esteve em Juiz de Fora no fim de janeiro, mas confessa que estava ansioso pela volta. "Me sinto muito em casa. As pessoas me tratam super bem, e levarei muita alegria e muita música com minha Banda Terremoto, vamos incendiar a cidade", diverte-se o cantor. Em "O que eu gosto de cantar", seu primeiro trabalho solo, Thiago apresenta composições suas em parceria com amigos músicos, a maioria em tom confessional, incorporando fragmentos da história pessoal do cantor, como "Adeus" e "Por onde andará". "Falar sobre experiências pessoais leva minha música até as pessoas que passam ou passaram por situações semelhantes", opina um dos muitos talentos revelados pelo filme "Cidade de Deus", de Fernando Meirelles e Katia Lung, que escalou diversos atores nas favelas do Rio. Thiago era morador do Vidigal e integrante do grupo de teatro Nós do Morro, formado por jovens destas comunidades. "Lá, além de me tornar um artista, eles me ensinaram a ser um cidadão. E o 'Cidade de Deus' foi muito importante para nós, pois foi o maior responsável em mostrar para a sociedade que em favelas e comunidades existem pessoas com talento e que só precisam de uma oportunidade."

No show desta sexta, Thiago mostra seu som coberto de referências da MPB de todos os tempos, regido por influências tão diversas como Gilberto Gil, Djavan, Milton Nascimento, Cazuza, Legião Urbana e Ivete Sangalo. "Acredito que faço um pop-rock com um abraço na MPB e outros sons genuinamente brasileiros. Amo nossa música popular."

 

 

Retorno às origens

Queridinhos do público juiz-forano, os mineiros do Jota Quest voltam, em seu último trabalho, a fazer um som que remete às origens da banda, carregado de groove e referências da black music, com disco produzido por Jerry Barnes e participação do lendário guitarrista do Chic Nile Rodgers, "papa da disco music" nas palavras do vocalista Rogério Flausino. "O 'Funky funky boom boom' é um disco leve e divertido, como a vida deve ser, e religa a banda com o groove. É um disco para dançar e cantar junto. Acho que estamos matando a saudade de uma fase muito bacana da nossa carreira, e isso está fazendo muito bem para nós e, consequentemente, para os fãs."

O novo álbum de inéditas é o sétimo do Jota Quest, que tem mais de 20 anos de estrada e mantém a produção autoral e a agenda de shows lotada, algo que Rogério atribui à amizade e ao respeito entre ele e Paulinho Fonseca (bateria), PJ (baixo), Marco Túlio Lara (guitarra) e Marcio Buzelin. "A cumplicidade com os fãs, uma boa dose de paciência, a coragem e a serenidade para enfrentar adversidades e até mesmo uma certa ingenuidade de acreditar que um sonho adolescente poderia virar realidade também são matéria-prima para continuar trabalhando", conta o vocalista.

"Funky funky boom boom" será o primeiro álbum do Jota a ter uma edição especial em vinil - à venda em breve -, além de trazer na capa a reprodução de "Martini Miss", uma pin-up nua em uma taça da bebida, criação do artista visual Mel Ramos, representante da pop art e da contracultura norte-americana. "Lançar em vinil é uma aposta que vai além do comercial, é um 'plus' para os fãs e para quem curte a onda do vinil, uma mídia que valoriza a arte da capa, o encarte, o cheiro, além de uma sonoridade especial. É também um presente para a gente mesmo, que sempre sonhou em ter um bolachão", diz Rogério.

Preparando um repertório com novidades e hits marcantes da banda, o Jota Quest comemora o retorno a Juiz de Fora, prometendo um show dançante e com prévias da turnê que estreará no Rio no dia 29 de março. "Tocar em Juiz de Fora é sempre um tesão! A galera é quentíssima e sempre muito antenada. Aliás, o grande barato de ser mineiro é sentir o quanto somos queridos por todos os outros brasileiros: em todo lugar aonde chegamos, somos sempre super bem recebidos. Para tanto, acho importante continuarmos prezando por algumas características clássicas dos mineiros, como por exemplo, a de 'comer quieto'", brinca Flausino.

 

 

 

THIAGO MARTINS, JOTA QUEST E FELGUK

 

Hoje, a partir das 23h

 

La Rocca

(Av. Deusdedit Salgado 2400)

 

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?