Publicidade

10 de Abril de 2014 - 06:00

Orquestra de Câmara Pró-Música/UFJF abre apresentações de 2014 sob regência de Ângela Pinto Coelho

Por RENATA DELAGE

Compartilhar
 

A Orquestra de Câmara Pró-Música/UFJF tem um compromisso especial nesta quinta-feira. O concerto marcado para as 20h, no Teatro Pró-Música, inaugura a temporada 2014 de apresentações do grupo, que há 35 anos trabalha na divulgação da música erudita - sobretudo da música colonial brasileira -, sob a batuta da renomada maestrina Ângela Pinto Coelho. A apresentação marca a estreia de Ângela, primeira mulher no Brasil a reger uma orquestra sinfônica, em Juiz de Fora.

As barreiras impostas por sua entrada em um terreno basicamente masculino foram, segundo a maestrina, derrubadas gradualmente. "No início, há cerca de 20 anos, enfrentei certa dificuldade, não técnica, mas em relação à resistência que a maioria das pessoas tinham. Aos poucos, isso foi sendo quebrado, e hoje não há qualquer problema", avalia. "Não há mais esse preconceito. A Sinfônica do Estado de São Paulo, por exemplo, é regida por uma mulher. Acredito que o espaço esteja aberto às mulheres em qualquer profissão."

Ângela tem sua formação ligada à Itália, especialmente Siena - Accademia Chigiana - e Bologna, onde assistiu às classes dos maestros Sergiu Celibidache e Franco Ferrara. Formada em regência pela UFMG, nas classes dos maestros David Machado e Guerra Peixe, muito cedo ingressou como cantora no Coral Ars Nova - UFMG e logo se firmou como regente assistente do maestro Pinto Fonseca. Convidada especial em vários eventos nacionais e internacionais, por indicação do maestro Michael Ghifs - regente do Coro Cantate Domino da Bélgica -, foi admitida como membro associado da Federação Europeia de Coros da União Europeia, tornando-se presidente do Bureau do Brasil. Ângela foi a primeira regente brasileira a receber a honraria.

O convite para estar à frente da orquestra local esta noite é resultado da sintonia entre a instituição e a maestrina, já que desde 2010 ela participa do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga como regente da Orquestra Sinfônica de Alunos do Festival. "Desde o primeiro ano, nossa relação foi muito produtiva. É um ambiente de ótimos relacionamentos com diretores, professores e, principalmente, com os alunos. Posso dizer que 'foi amor à primeira vista' com os alunos", brinca.

A parceria entre músicos experientes e jovens instrumentistas adotada pela instituição local, formadora de talentos, abarca, segundo a regente, seus ideais. "Meu foco sempre esteve voltado ao trabalho com jovens estudantes", diz a maestrina, fundadora das orquestras jovens do Palácio das Artes e da UFMG, em Belo Horizonte, bem como da escola de música Estação da Música José Luiz Pinto Coelho - fundada em 2007 e que conta hoje com 200 alunos -, em Santa Bárbara, cidade em que nasceu. "Reger a Orquestra de Câmara Pró-Música é uma realização prazerosa, pois ela conta com músicos muito bons, entusiasmados e de nível elevado."

A Orquestra de Câmara Pró-Música, criada em 1979, já se apresentou em importantes salas de concerto do país e gravou CDs do Festival Internacional. Em 2012, fez a primeira turnê internacional, na França, sendo o único representante da América Latina no 20º Encontro Europeu de Orquestras de Jovens e Corais Infantis do Eurochestries. Um dos projetos de destaque é o "Orquestra de Câmara convida", em que alunos do Bacharelado em Música da UFJF têm a oportunidade de dividir o palco com os instrumentistas.

No calendário, já estão previstas as participações no Concerto de Páscoa (20 de abril) e na série "Música nas igrejas" (27 de abril), além de concertos nos meses de junho e outubro. Por mais de duas décadas, a orquestra atuou sob a batuta do maestro Nelson Nilo Hack, falecido no ano passado.

O concerto desta quinta, que tem entrada franca, contará com repertório bastante especial, de acordo com Ângela. "São peças difíceis, mas, ao mesmo tempo, possíveis de ser bem executadas pela orquestra. Desde o último ano, percebi que eles seriam capazes de executar um repertório elaborado como esse", destaca a maestrina, que iniciou a preparação dos instrumentistas há cerca de dois meses. Estão presentes obras de Benjamin Britten, Jean Sibelius e Samuel Barber, com destaque para a execução do "Adagio for Strings", de Samuel Barber, trilha do filme "Platoon".

ORQUESTRA DE CÂMARA DO PRÓ-MÚSICA

Hoje, às 20h

Teatro Pró-Música

(Av. Rio Branco 2.329)

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a Justiça agiu corretamente ao permitir, por habeas-corpus, a soltura dos ativistas presos durante a Copa?