Publicidade

26 de Janeiro de 2014 - 07:00

Jansen se prepara para o carnaval juiz-forano em ensaios da Real Grandeza e do bloco Come Quieto

Por MARISA LOURES

Compartilhar
 
O sambista integra o Quarteto Visceral, o projeto Ponto do Samba e o Swing Samba Show
O sambista integra o Quarteto Visceral, o projeto Ponto do Samba e o Swing Samba Show

Ainda faltam alguns dias para a abertura oficial do carnaval na cidade, e Mestre Jansen, 31 anos, já está totalmente envolvido no clima da Festa de Momo. Toda terça e quinta, às 20h, ele se encarrega de puxar a bateria durante os ensaios da Escola de Samba Real Grandeza, que vai para a avenida no dia 22 de fevereiro. No mesmo dia, tomará as ruas do centro com o bloco Come Quieto. O aquecimento é às terças, às 20h, e sábados, às 11h30, na Privilège. Com o projeto Ponto do Samba, Jansen toca clássicos do gênero ao lado de amigos consagrados em Juiz de Fora, como Roger Resende e Carlos Fernando Cunha. A próxima edição está marcada para 24 de fevereiro, às 20h, na Praça Antônio Carlos, dentro da programação do Corredor da Folia.

Todo primeiro sábado do mês, ele se reúne com os demais companheiros do Quarteto Visceral no Quintal Bar para embalar a plateia com sucessos de Cartola, Noel Rosa, Zé Keti, Ataulfo Alves, entre outros. Aliás, com o grupo, já percorreu até eventos no Rio de Janeiro. Ainda anima formaturas, casamentos e aniversários com o Swing Samba Show.

Ufa, para ter fôlego para tanta folia, só mesmo com uma ajuda bem familiar. "Meu pai (já falecido), seresteiro, boêmio, cantor da noite, me iniciou na boa música, mas a minha Real Grandeza é quem me criou para o mundo", reflete o músico, que, quando está longe da batida da bateria, é eletricista de automóvel e técnico em injeção eletrônica e mecânica.

Juiz-forano, Jansen José Narciso se considera "uma pessoa de bom coração, guerreira, parceira, ansiosa e determinada". Esta última característica é que o estimula a "evoluir cada vez mais no samba" e a querer voltar a cursar a faculdade de direito. Para quem o acompanha, ele antecipa que já tem algumas letras de sua autoria e de parceiros saindo do forno neste ano. "Quero trabalhar muito, visando o melhor para o público", vislumbra, destacando o espaço que reserva para o samba. "Sem ele, não sei viver. Os outros 50% do tempo divido com a minha família, amigos e com projetos pessoais."

Livro

"Tambores de Angola", pelo espírito Ângelo Inácio e psicografia de Robson Pinheiro

Para quem vive do samba como eu, tem que ler para saber o poder da força do couro do tambor

Escritor

Vinícius de Moraes

Viveu para saber o que escrevia. Inclusive, as sete experiências amorosas que ele teve influenciaram em sua escrita, conforme ele mesmo falou em documentário

Filme

"Homens de honra", de George Tillman Jr.

Mostra o preconceito ainda existente. Imagina na época em que se passa o filme? Retrata a história de um negro que foi servir à Marinha americana, sendo o primeiro afro-americano a receber o título de mergulhador de combate

Sambista

Zeca Pagodinho

É quem consegue atingir todas as classes sociais

CD

"Obrigado gente", do João Bosco

Letra e instrumental valem a pena

Música

"José e João", de João Nogueira e Martinho da Vila

Os compositores falam sobre a violência das guerras e a intolerância dos povos

Escola de Samba

Vila Isabel

A Escola reflete a efervescência da comunidade. O amor pelo samba é evidente

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?