Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 07:00

Renata de Aragão Lopes lança livro de estreia 'Doce de lira,poesia à mesa', com prefácio de Elisa Lucinda

Por MAURO MORAIS

Compartilhar
 
Para Renata, a poesia deve ser degustada por todos, como um bom doce
Para Renata, a poesia deve ser degustada por todos, como um bom doce

"somos filhos de nossos pais, / netos de nossos avós./ por tantas vezes,/ são ainda eles/ que falam por nós", diz o poema "Memórias", de Renata de Aragão Lopes. Com um eu lírico entre a delicadeza em tratar o tempo e a sensibilidade de menina, os outros poemas de "Doce de lira, poesia à mesa" também demonstram o estilo simples, repleto de pequenas sutilezas cotidianas e marcado por uma dicção caracteristicamente mineira. "meu sonho de menina/ parece de éter agora:/ me alucina/ e se evapora", brinca a autora em "Inalante". Financiada com recursos da Lei Murilo Mendes, a obra de estreia da escritora juiz-forana, lançada hoje, às 20h, no Teatro Clara Nunes, partiu da experiência do blog www.docedelira.blogspot.com.br, no ar desde 2009. "O livro é resultado de um processo muito natural. Querendo ou não, para ser literatura tem que estar no papel. A internet é abstrata demais, parece efêmera", comenta a poeta.

Graduada em direito, a escritora começou a escrever versos ainda bastante jovem. Aos poucos, foi retirando da gaveta, inscrevendo-se em concursos e finalmente arrebatou leitores pela internet. O tal doce virtual serviu, até mesmo, a uma dissertação de mestrado. Ainda assim, Renata nunca circulou no meio literário local, nunca pertenceu a guetos. Apesar disso, seu tempero chegou ao Rio de Janeiro. No final do ano passado, com o projeto já aprovado pela lei de incentivo, enquanto estava de férias, decidiu fazer uma oficina na Casa do Poema, escola especializada em versos fundada pela poeta, jornalista, cantora e atriz Elisa Lucinda. No último dia de aula, Renata conheceu Elisa e entregou-lhe a obra. Em janeiro, a carioca convidou a mineira para uma visita em sua casa e comprometeu-se a prefaciar o livro.

"Como fazem os bons poetas, ela nos leva pela mão, e vamos com ela lá dentro da relação com o pai, com o homem, com o filho, com a mãe, com a irmã, com a palavra, com a vida. Elegante, consegue tirar o véu e expor o que há de nelsonrodriugueano em toda a família e nós entendemos tudo. Mas este tudo é tomado de uma inteligência poética tão cuidada, tão preciosa, tão amorosa com a língua portuguesa que o livro protege o que revela", escreve Elisa, dizendo-se tocada pelos versos de "Doce de lira, poesia à mesa". "Esse encontro foi muito decisivo. Juntas nós tiramos alguns poemas e inserimos outros. Ela me deu a certeza de que devo prosseguir", entusiasma-se a autora.

Segundo Elisa Lucinda, o próprio nome da obra de Renata de Aragão Lopes aponta para uma minuciosa artesania. Há um ponto diferente no doce da autora, que se diz uma confeiteira. "Esse doce é um convite para que o leitor prove, deguste, a poesia e a tenha como hábito. Defendo que a poesia saia desse lugar intocável. Quero dizer que todos temos condições de ler versos", afirma a escritora, cujo blog já alcançou mais de 45 mil leitores e possui mais de 700 seguidores. "Ler um poema pode ser fácil e simples", defende Renata.

Para lançar a obra, a autora promove, nesta quarta, um encontro mediado por Debora Coghi, com a participação das musicistas Amanda Martins e Bia Nascimento, e leitura realizada pela roteirista Adriana Barata e pelos atores Felipe Saleme, Gutto César, Lella Ganimi, Letícia Nogueira, Lívia Gomes e Zezinho Mancini. Além disso, para acompanhar seu doce, Renata oferece um café. "O café é quente, aconchegante e mineiro", brinca.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?