Publicidade

25 de Janeiro de 2014 - 07:00

Força Sindical quer que a correção do fundo seja pela inflação e não pela TR, como vem ocorrendo

Por Fabíola Costa

Compartilhar
 

Apesar da corrida judicial pela revisão do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que totalizou 29.350 ações impetradas no país até esta sexta-feira (24), as decisões contrárias nos tribunais à substituição do índice de correção das contas (46,5%, segundo a Caixa Econômica Federal) não devem desestimular o ajuizamento, orienta a Força Sindical.

No ano passado, a Força Sindical ingressou com ação na Justiça Federal de Brasília reivindicando a revisão dos saldos do FGTS. O processo representa centenas de sindicatos filiados à central e reivindica a reposição de perdas - estimadas em 88% -, considerando o período de 1999 a 2013 para aposentados ou não.

O argumento usado pela central é que a correção mensal dos depósitos pela Taxa Referencial (TR), acrescida de juros de 3% ao ano, seria insuficiente para recomposição de perdas. O pleito é de correção pela inflação, tendo como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Pelos cálculos da entidade, só nos últimos dois anos, a defasagem chegaria a 11%.

"Estamos confiantes que vamos ganhar a ação e reverter essa injustiça que é a correção pela TR", afirmou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, em entrevista à Tribuna nesta sexta. Para ele, apesar das decisões desfavoráveis, o ajuizamento é indispensável para que exista recurso, pressionando pela substituição da TR pelo INPC. O presidente acredita na reversão dos pareceres judiciais nos próximos dias.

O advogado da Força Sindical em Minas, Donier Rodrigues Rocha, decidiu interromper temporariamente o ajuizamento de novas ações relacionadas ao FGTS mediante a constatação de que a Justiça Federal em Minas estaria julgando improcedentes os pedidos. Segundo Donier, enquanto se elabora recurso, aguarda-se nova posição do judiciário para retomar os processos. Só no escritório de Donier, foram impetradas 200 ações neste sentido. Uma dificuldade é a falta de jurisprudência sobre o assunto, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não se posicionou sobre o caso. O advogado esclarece que a decisão de suspender as novas ações é restrita a seu escritório.

A Caixa informou, por meio de sua assessoria, que das 29.350 ações ajuizadas contra o FGTS, em que se pretende a substituição da TR como índice de correção das contas, foram proferidas 13.664 decisões, "todas favoráveis ao critério de correção aplicado pela Caixa/FGTS". A informação é que a Caixa cumpre o que está estabelecido na Lei 8.036/90, que dispõe sobre o fundo, e recorrerá de qualquer decisão contrária a ele.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?