Publicidade

18 de Junho de 2014 - 06:00

PJF vai receber propostas de empresas interessadas no sistema até 23 de julho; 1.481 novas vagas serão criadas

Por FABÍOLA COSTA

Compartilhar
 
Preço cobrado pelas vagas vai subir de R$ 1 para R$ 2
Preço cobrado pelas vagas vai subir de R$ 1 para R$ 2

Com outorga inicial de R$ 500 mil, a Prefeitura abriu ontem os procedimentos licitatórios para exploração da Área Azul em Juiz de Fora. A concessão prevê a prestação de serviços de implantação, operação e controle para o sistema de estacionamento rotativo pago, que passa a valer não apenas para automóveis como também para motos. A publicação aconteceu ontem no Atos do Governo, e o edital já está disponível no site da Prefeitura. O recebimento das propostas está marcado para 23 de julho. Vence a empresa, devidamente habilitada, que apresentar a maior oferta, a ser paga de uma só vez no início da prestação do serviço.

A concorrência 002/14 prevê a criação de 1.481 novas vagas, sendo 496 para motos no Centro e outras 985 para automóveis, em bairros, como Benfica, Alto dos Passos, São Pedro, Santa Terezinha, além da região central. As 332 vagas do Alto dos Passos passam a contar com o serviço noturno, das 18h às 2h, de terça a domingo. O objetivo é inibir a ação dos flanelinhas no bairro da Zona Sul. Hoje o sistema mantém 1.585 vagas em Centro, Fábrica, São Mateus e Manoel Honório. As vagas exclusivas para idosos serão ampliadas de forma a atender a reserva legal de 5% para este público.

Conforme a Tribuna antecipou na terça-feira, a tarifa da Área Azul deve dobrar em Juiz de Fora, passando dos atuais R$ 1 para R$ 2. O tempo de permanência será variável de 90 a 180 minutos de acordo com o local e o horário de uso. Hoje oscila entre 90 e 120 minutos na operação diurna. Além disso, o prazo máximo de exploração pela empresa vencedora passa dos atuais quatro anos para até dez anos, com possibilidade de prorrogação.

Segundo o edital, a taxa média mensal de ocupação por vaga na Área Azul hoje é de 46%. A expectativa, diz o texto, é que, com o "aumento da respeitabilidade com o sistema eletrônico em operação", esse número suba para algo em torno de 50%. O histórico de arrecadação ao longo de 12 meses de operação (abril de 2013 a março de 2014) apresenta média de 116 mil tíquetes vendidos por mês. Para estes números, foi considerada a existência de 1.604 vagas. Nas novas regras, o repasse fixo será de 7% da arrecadação da contratada ao município por mês.

Uma das novidades do novo formato do estacionamento rotativo pago é a informatização da aquisição de bilhetes, que poderá ser feita via telefone, internet e estações, conhecidas como parquímetros, a serem instaladas a cada 30 vagas disponíveis. O sistema de vendas por tíquetes eletrônicos substituirá, gradativamente, a atual venda por talões impressos, através de pontos fixos (estabelecimentos comerciais) e móveis ( monitores de venda circulando pelas vias). A meta é que a mudança tenha início em até seis meses contados da data de início da operação do sistema, sendo concluída, em, no máximo, seis meses depois. O texto também estipula prazo de 30 dias para início da operação da Área Azul nos moldes atuais, a contar da assinatura do termo de concessão.

Enquanto eram realizados os estudos de viabilidade técnica para o edital e a revisão do modelo, a Settra renovou o contrato com a 3S Empreendimentos e Administração de Estacionamentos Ltda, que atua na cidade desde 2011. A expectativa inicial era que o edital fosse publicado entre fevereiro e março e que o novo sistema entrasse em operação no mês passado. Sobre a licitação, a Secretaria de Transportes e Trânsito (Settra), por meio de sua assessoria, afirmou que todas as informações sobre o trâmite constam no edital e que o novo modelo de Área Azul entrará em operação assim que concluído o processo licitatório, "que se encontra aberto e em andamento".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?