Publicidade

24 de Janeiro de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

Brasília (ABr) - O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), caiu 1,99% no pregão de ontem, depois da valorização de 1,56% na véspera. A queda foi provocada, principalmente, pela divulgação do relatório do Fundo Pimco (Pacific Investment Management), que atua principalmente nos países emergentes, e recomendou cautela aos investidores que pretendem aplicar no Brasil.

A divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), com a sinalização de mais aumento da taxa básica de juros (Selic) para conter a inflação, também ajudou a virar as expectativas do mercado de ações, que teve bom desempenho até o início da tarde de ontem. No final do dia, o Ibovespa baixou para 48.320 pontos, depois de fechar 895.936 pontos no valor de R$ 6,853 bilhões.

Em sentido contrário, a sinalização do colegiado de diretores do Banco Central contribuiu para a elevação de 1,27% no valor do dólar, que encerrou o pregão cotado a R$ 2,402 para venda - maior valorização em cinco meses, depois dos R$ 2,432 registrados no dia 22 de agosto do ano passado, que foram determinantes para o BC adotar a política de leilões diários de swap cambial tradicional, que equivale à venda de dólares no mercado futuro.

A atuação do BC não evitou, porém, o avanço da moeda norte-americana, mesmo com o banco colocando quatro mil contratos de swap no mercado, com vencimento no dia 1º de setembro deste ano, no valor de US$ 197,8 milhões. O BC também ofereceu ontem mais um lote do total de 25 mil swaps, equivalentes a US$ 11,028 bilhões, com vencimento no dia 3 de fevereiro, e que a autoridade monetária tenta transferir para data futura. O banco não informou quanto já conseguiu rolar.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?