Publicidade

04 de Junho de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

A Mercedes-Benz concedeu licença remunerada a 108 trabalhadores da linha de produção da fábrica de Juiz de Fora na última segunda-feira, 2 de junho. De acordo com a assessoria da montadora, a medida será por tempo indeterminado e irá substituir a "semana curta", adotada até então como alternativa de readequar a produção à realidade de retração vivida pelo mercado automotivo. Após período de 20 dias de férias coletivas, que se encerrou em maio, os profissionais tiveram a jornada de trabalho reduzida, de cinco para quatro dias por semana.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora, João César da Silva, disse que recebeu informações diferentes da empresa. "A Mercedes nos comunicou que o período de licença será de 30 dias. Antes disso, no dia 17 de junho, cerca de 30 trabalhadores devem retornar ao trabalho para a produzir peças que estão em falta." Segundo ele, a decisão da licença remunerada não foi tomada em acordo com a entidade. "Não conversamos sobre o assunto, apenas fomos comunicados."

A diferença nas informações, segundo João, aumenta o clima de incerteza entre a categoria. Ele destaca que na próxima segunda-feira será realizada nova reunião entre o sindicato e a montadora a fim de que seja decidido, por ambas as partes, o que será feito na unidade juiz-forana. "Queremos encontrar uma decisão definitiva para ser adotada até dezembro que possibilite a adequação da produção sem prejudicar os trabalhadores."

 

Demissões

O sindicato ainda pretende discutir a reintegração dos 20 trabalhadores demitidos em maio. Segundo dados da entidade, desde setembro do ano passado 130 funcionários perderam emprego na empresa. A entidade prevê o ajuizamento de ação civil para reaver estes postos de trabalho.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?