Publicidade

02 de Julho de 2014 - 06:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

No dia em que era previsto o retorno ao trabalho de 108 profissionais da linha de produção da Mercedes-Benz em Juiz de Fora que estavam de licença remunerada desde o dia 2 de junho a montadora decidiu estender a medida. Parte dos colaboradores que estavam afastados continuarão longe da produção e um novo grupo foi liberado. A medida atinge agora um total de 140 pessoas e é por tempo indeterminado. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos da cidade, a decisão foi anunciada na última segunda-feira, dias depois da empresa "congelar" as negociações com a categoria e realizar 11 novas demissões. Preocupados com a situação, representantes da entidade viajaram ontem para São Paulo onde irão se reunir mais uma vez com a direção da companhia.

As negociações entre trabalhadores e Mercedes-Benz tiveram início em maio com a expectativa de que as partes entrassem em acordo sobre uma medida definitiva a ser adotada pela empresa para adequar a produção à realidade de mercado. Com a crise vivida pelo setor automotivo, a montadora já realizou várias ações a fim de "conter" a produção, o que incluiu o corte de 150 funcionários na fábrica de Juiz de Fora desde setembro do ano passado, segundo o sindicato. "Estávamos avançando nas negociações. Mas na semana passada, a Mercedes suspendeu as discussões e realizou novas demissões", disse o presidente da entidade, João César da Silva.

Segundo ele, a proposta da categoria inclui a adoção do lay-off (suspensão dos contratos de trabalho por até cinco meses para que os trabalhadores façam programa de qualificação mantendo o direito ao salário e benefícios), a cobrança de multa para a empresa em caso de demissões e a determinação da produção diária da unidade. "A interrupção nas negociações, segundo a empresa, se deu porque era preciso estudar o cenário de mercado do próximo ano antes de estabelecermos metas para a produção", explica João.

Ele afirma estar apreensivo com a situação. "Fomos pegos de surpresa com as demissões e a licença remunerada por tempo indeterminado. Nos reuniremos com a direção da companhia para discutir o futuro da fábrica. A nossa expectativa é conseguir retomar as negociações e reaver os postos de trabalho." Procurada pela Tribuna, a Mercedes-Benz não se posicionou sobre o assunto.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?