Publicidade

08 de Março de 2014 - 06:00

De olho no mercado brasileiro, Sunlong prevê investimento de US$ 15 milhões ainda este semestre

Por Bárbara Riolino

Compartilhar
 

A montadora de ônibus chinesa Sunlong deve instalar um Centro de Distribuição em Juiz de Fora ainda neste semestre. A informação foi confirmada pelo sócio brasileiro da marca, Mauri Moreira de Oliveira. "O martelo está praticamente batido. É 99% de certeza que iremos para Juiz de Fora. A chegada da marca ao Brasil é uma decisão que não tem mais volta", disse, acrescentando que, para este empreendimento, serão injetados US$ 15 milhões, marcando a ampliação das exportações do grupo para a América Latina. A Prefeitura de Juiz de Fora diz que a empresa esteve na cidade em 2013 para avaliar os atrativos oferecidos, mas não confirma a consolidação do projeto.

A montadora, instalada em Xangai em uma área de 300 mil m², atua no mercado há dez anos e exporta para 60 países, entre eles Chile, Venezuela e Argentina. A produção anual, segundo o empresário, chega a uma média de nove mil veículos. O Centro de Distribuição brasileiro deve ocupar uma área de 80 mil m². Mauri, no entanto, não informou aonde o terreno está localizado. "Até a próxima semana, teremos essa definição". 

A prospecção da Sunlong no Brasil começou há três anos. No ano passado, a diretoria esteve em Juiz de Fora para se reunir com a Prefeitura. O secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Geração de Emprego e Renda, André Zuchi, destaca que na época da visita, o grupo demonstrou bastante interesse em se fixar na cidade. "Ainda não fomos comunicados oficialmente desta decisão. Faremos o possível para que esta empresa fique em Juiz de Fora. A vinda de um novo Centro de Distribuição - além do da Fiat - irá consolidar a região como centro de logística. É um importante negócio para a cidade", comenta.

"O processo está muito bem encaminhado para Juiz de Fora. Em primeiro momento, a proposta é focar na nacionalização da marca com o Centro de Distribuição, mas não descartamos a possibilidade de instalar uma fábrica no município no período de dois anos. A produção no Brasil seria a segunda existente no mundo, atendendo ao mercado da América Latina", adianta Mauri, que tem 35 anos de experiência no ramo de veículos, tendo atuado na Comil, Volvo e Scania, e mora em Juiz de Fora há 13 anos. "Antes de optarmos por Juiz de Fora, cogitamos o Chile e a Venezuela, mas ao saber que o Brasil consumiu cerca de 40 mil ônibus em 2013, entendemos que o foco deveria ser aqui. Também prospectamos em Fortaleza, por conta do Porto de Suape, mas o local não agradou aos diretores", completa.

Entre os fatores decisivos para a vinda da Sunlong para Juiz de Fora está a localização geográfica, o porto seco e a oferta de mão de obra no setor metalúrgico, além do perfil semelhante ao de Xangai. "Não podemos ignorar a proximidade com o Rio de Janeiro, São Paulo e o próprio estado, Minas Gerais, que são os três maiores mercados consumidores do país", explica Mauri.

 

Tecnologia e produção

A Sunlong produz ônibus de nove metros e 18 metros de comprimento (articulados), que trazem, como itens de série, suspensão a ar, câmbio automático, ar condicionado e freio ABS. A motorização atende ao padrão Euro V, já utilizado no Brasil. Os produtos contemplam ônibus urbanos, rodoviários e de turismo. Os motores são alocados na traseira dos veículos e, além do serem movidos a diesel, a empresa desenvolve três tecnologias voltadas para a energia alternativa: hidrogênio, hibrido e elétrico puro. No Brasil, o foco será nos ônibus elétrico puro e hibrido, que possui motor a diesel para movimentar o gerador de energia.

O representante da marca no Brasil ressalta ainda que os veículos produzidos são avaliados em testes de tombamentos para garantir que oferecem a segurança necessária em caso de acidentes. "É uma norma ainda não exigida no Brasil", afirma.

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?