Publicidade

22 de Abril de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 
Empresas que investirem nesses tipos de produtos poderão registrar aumento de 25% nas vendas
Empresas que investirem nesses tipos de produtos poderão registrar aumento de 25% nas vendas

O comércio popular de Juiz de Fora já está se preparando para a Copa do Mundo no Brasil. Faltando menos de dois meses para o início do evento, lojistas estão expondo, nas vitrines e prateleiras dos estabelecimentos, diversos produtos nas cores verde e amarelo, além de artigos exclusivos da Copa. Segundo o Sindicato do Comércio de Juiz de Fora (Sindicomércio), as empresas que investirem nesses tipos de produtos poderão registrar aumento de 25% nas vendas em relação aos meses anteriores.

A gerente da Loja Empório da Casa, Rosemary Adriano Gonçalves, disse que itens como buzinas, apitos, chapéus e perucas, nas cores da bandeira do Brasil, começaram a chegar em março. A procura maior por esses produtos, segundo ela, deve acontecer no final do mês de maio."Tudo está vindo personalizado. Por isso, estamos focando nessa data."Na loja Bagaggio, especializada em bolsas, é possível encontrar identificador de malas customizado."Montamos uma vitrine só com produtos verdes e amarelo", contou a gerente Fabiana Gerheim.

Artigos relacionados as outras seleções de futebol que irão disputar o campeonato mundial também estão em alta. Segundo o vendedor da Humanitarian Esportes, Luciano Marinho, o objetivo da empresa é vender todo o estoque. "Muitas pessoas já estão procurando chuteiras oficiais dos jogadores como Messi e Neymar." Na Loja da Seda, a proprietária Rosangela Jamil Hadad estima que as vendas aumentem 40% no período que antecede o evento. "Tive um bom retorno na Copa da Confederações. Também já estou recebendo pedidos de bandeiras e tecidos", relatou. A Copa também será o tema da coleção de inverno da Mundo Mix. Diferente dos outros anos, os clientes poderão comprar jaquetas, calças e moletons com a bandeira nacional.

 

Em baixa

O presidente do Sindicomércio, Emerson Belotti, ressaltou que o comércio varejista que não investe em produtos relacionados a Copa do Mundo poderá, ao invés de lucrar durante os jogos, amargar perda no faturamento. Ele lembra que os horários de funcionamento dos estabelecimentos devem ser reduzidos nos dias em que serão transmitidos os jogos da Seleção Brasileira. "As lojas de materiais de construção, móveis e outros segmentos que não podem trabalhar com artigos para a Copa sofrem nessa época, pois o movimento nos dias de jogos é fraquíssimo. Os comerciantes deverão fazer mudanças de horário para não contabilizar prejuízos", alerta ele.

 

Otimismo

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra, porém, que boa parte do setor segue otimista - 56% dos empresários do ramo do comércio estão com expectativas de aumentar suas vendas durante o campeonato. O segmento varejista projeta faturamento de 23,8%. Além disso, conforme os dados do estudo, 8% dos empresários mineiros se dizem otimistas com as vendas nesse período.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o resultado do PIB nos dois últimos trimestres vai interferir no resultado das eleições?