Publicidade

04 de Janeiro de 2014 - 07:00

Por Gracielli Nocelli

Compartilhar
 

Juiz de Fora registrou queda de 11,4% nas vendas de veículos zero quilômetro em 2013 em comparação com o ano anterior, conforme dados do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Minas Gerais (Sincodiv-MG). No ano passado, 14.898 veículos foram emplacados na cidade, enquanto em 2012 o número foi de 16.816. O maior recuo foi com relação às vendas de motocicletas (16,3%), seguido das de automóveis e comerciais leves (11,1%) e caminhões (10%). Concessionárias confirmam que os últimos 12 meses não foram o melhor período para o setor, que conseguiu se sustentar graças aos incentivos do Governo, promoções das montadoras e lançamentos que despertaram interesse do consumidor. A situação local reflete o comportamento das vendas do país, verificado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

No Brasil, a venda de veículos apresentou queda de 2,29% em 2013. O registro foi impulsionado, sobretudo, pelo resultado na comercialização de automóveis e comerciais leves, que teve redução de 1,98% em comparação com 2012. Segundo a Fenabrave, os números revelam o pior desempenho para este segmento nos últimos nove anos. Em Juiz de Fora, o recuo foi ainda mais acentuado. Os dados do Sincodiv-MG mostram que no ano passado foram vendidos 11.431 automóveis e comerciais leves, o que significou queda de 11,1% com relação a 2012, quando foram comercializadas 12.865 unidades. Apesar disso, o segmento representou 76,7% do total de veículos emplacados em 2013 na cidade.

Na avaliação do presidente do Sincodiv-MG, Mauro Pinto de Moraes Filho, os percentuais de queda registrados em Juiz de Fora foram altos. "O cenário foi de recuo nas vendas, mas os percentuais da cidade estão bem acima dos índices nacional e estadual. Em Minas, a redução foi em torno de 3%. No segmento de automóveis e comerciais leves, a queda foi pouco mais de 1%."

Para ele, os resultados de 2013 se devem ao momento econômico do país. "Tivemos maior dificuldade de crédito, o que afeta diretamente o nosso setor. A maior parte das nossas vendas é feita por meio de financiamento." Segundo Mauro, nem mesmo a redução do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) foi capaz de impulsionar as vendas. "O incentivo ajudou a não termos uma queda maior, mas em 2012 ele foi maior. Além disso, foi algo incorporado muito rápido pelo mercado, deixando de ser uma novidade para o consumidor."

A supervisora de uma concessionária de Juiz de Fora, que preferiu não se identificar, confirma que 2013 foi um dos piores anos para o setor. "As vendas caíram consideravelmente e isto foi percebido por todos." Na Novo Rumo, a gerente de vendas, Neuza Bordonal, diz que as taxas promocionais lançadas pelas montadoras conseguiram segurar as vendas no ano passado. "Em novembro, quando foram lançados os descontos, vimos a demanda aumentar." Já o gerente da Original, Ângelo Augusto Paradinha, aponta os lançamentos como principal fator atrativo de clientes. "Foi assim que conseguimos ir na contramão e garantir um incremento nas vendas."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?