Publicidade

16 de Julho de 2014 - 06:00

Por GRACIELLE NOCELLI

Compartilhar
 

A Zona da Mata não terá mais voos diretos com destino a Belo Horizonte a partir do dia 15 de setembro. A Azul Linhas Aéreas Brasileiras, única empresa que opera na região, confirmou à Tribuna a suspensão das operações realizadas entre o Aeroporto Presidente Itamar Franco, localizado entre Rio Novo e Goianá, e o Aeroporto Internacional de Confins - Tancredo Neves, na capital. A baixa demanda foi a justificativa dada pela companhia para a decisão. A princípio, as linhas com destino a Campinas não serão alteradas.

Em nota, a assessoria da Azul declarou que "a suspensão se deve ao baixo movimento de clientes apresentado nesta rota (Zona da Mata-Belo Horizonte), tornando a sustentação do voo economicamente inviável." A Multiterminais, empresa que administra o aeroporto, não se posicionou sobre o assunto.

A decisão altera mais uma vez a rotina da população da região, que desde o ano passado convive com as mudanças de rotas feitas pela empresa. Em junho de 2013, a companhia transferiu os voos que operava no Itamar Franco para o Aeroporto Francisco Álvares de Assis (Serrinha). O terminal juiz-forano passou, então, a contar com destinos para Belo Horizonte e Campinas. Já o Itamar Franco ficou sem atividades comerciais. Na época, a Azul disse que a medida buscava uma "otimização da malha aérea."

Quase dez meses depois, a empresa retomou as atividades no Itamar Franco. Em março deste ano, os voos para Belo Horizonte que eram operados no Serrinha foram novamente transferidos para Goianá. Segundo a empresa, a modificação tinha "o intuito de honrar o compromisso com o Governo de Minas Gerais em atender dez destinos no estado." O terminal de Juiz de Fora continuou operando voos para Campinas, e a Azul garantiu que atuaria nos dois aeroportos. Em abril, a companhia voltou atrás, e os voos operados no Serrinha para Viracopos foram transferidos para o Itamar Franco. O aeroporto de Juiz de Fora está sem atividades comerciais desde então. Naquele mês, a assessoria da empresa afirmou que Goianá oferecia "melhor infraestrutura aeroportuária".

 

Investimento

Na terça-feira, a Azul assinou carta de intenções para comprar até 50 jatos E195-E2 da Embraer, em um negócio que pode alcançar US$ 3,1 bilhões. Se confirmada a compra, a empresa será a primeira a operar o modelo. À Agência Estado, o presidente da companhia, Antonoaldo Neves, disse que o investimento mostra que a Azul segue "otimista com o potencial da aviação regional no Brasil."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?