Publicidade

22 de Dezembro de 2013 - 07:00

Com chances remotas de receber uma delegação internacional, PJF prepara estádio para o Tupi, que terá uma temporada cheia

Por PEDRO BRASIL Repórter

Compartilhar
 
Prefeitura está preparando o gramado para a disputa do Campeonato Mineiro
Prefeitura está preparando o gramado para a disputa do Campeonato Mineiro

O ano de 2013 foi de altos e baixos para o futebol juiz-forano, e 2014 se aproxima com perspectiva não muito diferente. Se por um lado a possibilidade de a cidade ser um Centro de Treinamento de Seleções (CTS) para a Copa do Mundo está cada vez mais distante, por outro o Tupi conseguiu a classificação para a Série C, mesmo enfrentando diversos adversários atípicos, desde a falta de luz em Santa Terezinha, passando por atrasos salariais e culminando no mundialmente conhecido caso do massagista que evitou um gol carijó embaixo das traves do Mário Helênio.

Sobre o sonho de ser CTS, o horizonte é nebuloso. Apesar de já ter recebido oficialmente as delegações de Rússia, Suíça e Austrália, alguns problemas, como o atraso nas obras no Hotel Village Haras Morena e a demora para a realização de reformas no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, deixaram turvo o caminho juiz-forano para a Copa. Além disso, o sorteio dos grupos da Copa do Mundo não favoreceu o município, já que apenas Rússia irá jogar na região Sudeste (no dia 2 de junho, contra a Bélgica, no Maracanã). Os russos ficarão em Itu, interior de São Paulo, e a Suíça se hospedará em Porto Seguro, na Bahia. A Austrália preferiu se concentrar em Vitória, no Espírito Santo.

Para o secretário de Esporte e Lazer, Francisco Canalli, porém, o sonho juiz-forano ainda está vivo. "Nós já recebemos delegações que conheceram a estrutura e gostaram do que viram. Ficou a expectativa, mas depois do sorteio, confesso que a situação piorou. A maioria dos jogos acontecerá em cidades espalhadas pelo país e não só no Sudeste. Se assim fosse, Juiz de Fora teria vantagem, entre outros pontos, pela posição geográfica próxima aos grandes centros e também por ter um hotel na horizontal, condição preferencial para diversas delegações", afirma Canalli.

 Hotel

As obras do Hotel Village Haras Morena, em Matias Barbosa, que seria a acomodação oficial da candidatura Juiz de Fora/Matias Barbosa, tiveram início em 2011. De acordo com o diretor-superintendente do futuro resort, José Luiz Motta Magalhães, as obras seguiram o ritmo planejado até maio deste ano, quando houve um problema relativo ao recolhimento dos efluentes de esgoto. "Os dejetos não puderam ser lançados onde pretendíamos, pois seria um procedimento ecologicamente incorreto. Assim sendo, fomos obrigados a reformular todo o plano urbanístico, deslocando vários blocos da hospedagem para outras posições."

Com a readequação na obra, as atividades tiveram que ser interrompidas por seis meses."Resolvida essa questão, as obras foram retomadas e serão dinamizadas após 6 de janeiro. Desta forma, conseguiremos preparar para a Copa de 24 a 32 apartamentos, além de todos os serviços prometidos, inclusive piscinas, novo restaurante, prédio de fitness, salão de jogos e a parte esportiva e social, exceção feita ao centro de convenções."

Para o centro de convenções e as acomodações restantes - de acordo com a Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), são necessários, no mínimo, 55 quartos -, a proposta é fazer dupla acomodação. Comissão técnica e jogadores ficariam no Village Haras Morena, e o restante do staff, em outro hotel. "A partir da notícia da Fifa de que essa divisão não só é possível, como também seria a preferência de alguns países, entramos em contato com a direção do Premier Parc Hotel, que possui acomodações de qualidade e centro de convenções", destacou Canalli. A gerente de recursos humanos do hotel, Marisa Falce, confirma que o espaço pode receber qualquer delegação. "Temos 112 quartos, um centro de convenções de excelência e ótimas acomodações. Recebemos o convite e estamos prontos", garante.

Acesso

Outro aspecto que preocupa no contexto de impressionar as seleções estrangeiras é o acesso entre o Estádio Municipal e o Village Haras Morena. As estradas principais que ligam Juiz de Fora às proximidades do local - a União e Indústria e a BR-040 - estão em bom estado, mas um trecho de apenas 2,5km, entre o distrito de Cedofeita, em Matias Barbosa, e o Village Haras Morena, é a pedra na chuteira da candidatura regional desde a início do projeto. O trecho não possui asfaltamento e, com chuva, o acesso fica difícil. De acordo com a Secopa, o tempo de deslocamento entre o hotel e o centro de treinamento deve ser de, no máximo, 20 minutos via ônibus, o que não seria possível em período de chuvas nas condições atuais.

De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Matias Barbosa, o valor para o asfaltamento desse trecho seria de aproximadamente R$ 2 milhões, quantia fora da realidade orçamentária da cidade. O Executivo local busca parcerias com o Governo de Minas Gerais e com a União para a realização da obra.

 

Obras devem respeitar agenda

A situação do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, que completou 25 anos em 2013, também inspira cuidados. Para realizar algumas reformas no local, principalmente no que se refere ao gramado e aos vestiários, o Ministério do Esporte disponibilizou uma verba de aproximadamente R$ 1,4 milhão para a Prefeitura de Juiz de Fora. Atualmente, o dinheiro está na Caixa Econômica Federal e, assim que for liberado, a ideia do Executivo é que rapidamente o edital da realização das obras seja publicado.

"Tentando acelerar as obras, chegamos a estudar a possibilidade de contratar a Empresa Municipal de Pavimentação e Urbanização (Empav), mas ela não poderia realizar o procedimento, já que não dispõe da mão de obra necessária. Assim sendo, teremos que fazer com a contratação via edital, que é mais lenta", afirmou Canalli. Atualmente, o gramado do estádio passa por um tratamento visando à participação do Tupi no Campeonato Mineiro. O trabalho periódico é realizado pela Empav e não tem nenhuma relação com a verba Federal.

Com a estreia em casa marcada para o dia 1º de fevereiro, quem poderia ser prejudicado pelas obras é o Tupi, que correria o risco ficar sem local para mandar seus jogos, possibilidade rechaçada pelo secretário. "Um pedido do prefeito Bruno Siqueira é que o clube da cidade não seja prejudicado. Por exemplo, nós temos quatro vestiários. Podemos fazer a reforma em um deles, enquanto os outros são utilizados. No gramado, a princípio poderíamos fazer um trabalho com menos impacto e, após o Campeonato Mineiro, aprofundar a reforma." O Mineiro tem previsão de término para 13 de abril, e o Carijó estreia na Série C do Campeonato Brasileiro no dia 27 do mesmo mês. Outra competição na qual o Alvinegro está garantido é a Copa do Brasil, que começa em 12 de março.

Para o diretor de futebol profissional do Tupi, Alberto Simão, a possibilidade de não mandar os jogos no Municipal iria atrapalhar todo o planejamento da temporada. "Nós acabamos de lançar o programa de sócio-torcedor, que dá direito a ingressos no Estádio Municipal. A informação que temos da Prefeitura é que o estádio estará disponível sempre que o Tupi precisar. Obviamente que temos um plano B, mas não pretendemos utilizar." O técnico do Alvinegro, Wilson Gottardo, faz coro com o cartola. "O Tupi tem tradição de jogar aqui. Os adversários se assustam com a dimensão do estádio. Acho que a diretoria tem que trabalhar ao máximo com a Prefeitura para conseguirmos jogar aqui. Da minha parte, eu não abro mão."

 

Carijó quer alçar voos mais altos

O ano de 2013 do Carijó ficou marcado pelo episódio protagonizado por Romildo Fonseca da Silva. No dia 7 de setembro de 2013, o massagista da Aparecidense entrou em campo aos 44 minutos do segundo tempo e impediu que o chute de Ademilson - que daria a classificação ao Carijó às quartas de final da Série D - balançasse as redes do adversário. O Tupi venceu a Aparecidense no Tribunal, depois o Mixto em campo, os atrasos salariais, a falta de luz em Santa Terezinha e subiu para a Série C ao se classificar para a semifinal, na qual foi derrotado pelo Juventude. No Campeonato Mineiro, o clube ficou em quinto lugar e não se classificou para as semifinais.

Visando à temporada 2014, o Carijó apresentou a maior parte do elenco no último dia 10. Deste então, o novo técnico, Wilson Gottardo, contratado para substituir Felipe Surian, realiza o trabalho de pré-temporada com o elenco e convive com os percalços já conhecidos pelo torcedor alvinegro. "Estamos com dificuldades para realizar treinos em campos com dimensões oficiais, já que o estádio está com obras no gramado e iremos perder o campo da UFJF em breve (a partir de janeiro, o campo da Federal também será reformado). A expectativa é que até lá o gramado do estádio já esteja em condições de nos receber", destacou. Sobre a temporada 2014, o técnico acredita que até janeiro o elenco ainda será encorpado nas posições carentes - principalmente a lateral esquerda, o meio de campo e o ataque. "Acredito que poderemos contratar jogadores dentro do nosso orçamento para reforçar a equipe para o Mineiro, que é o nosso foco inicial."

Ainda sobre o planejamento da temporada, Simão crê que o Tupi possa dar um salto de qualidade no cenário nacional. No último dia 10, junto com os atletas, o clube apresentou três projetos de investimento, envolvendo torcedores e patrocinadores. "Nossa ideia é conseguir pelo menos 20 empresas parceiras e, com isso, ter renda para formar um time ainda mais forte. Além disso, o Tupi é o primeiro time do interior de Minas a conseguir se filiar ao Movimento por um Futebol Melhor. Queremos levar o Tupi a outro patamar no Brasil."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?