Publicidade

16 de Fevereiro de 2014 - 07:00

Preparando-se para disputar o Arnold Classic Brasil no fim de abril, Carlão Hadade revela sua dura rotina de treinamentos

Por PEDRO BRASIL

Compartilhar
 

Muitas horas na academia e dieta restrita. Essa é a rotina de Carlos William Hadade, o Carlão, atual vice-campeão do Arnold Classic Brasil - um dos maiores eventos multiesportivos do mundo, que no ano passado ganhou sua edição nacional - na categoria fisiculturismo clássico acima de 1,75m. Para mostrar as dificuldades e as privações que precedem as competições, a Tribuna acompanhou a rotina do fisiculturista, que se prepara para o Arnold Classic 2014, no fim de abril, durante uma semana.

Nascido e criado em Juiz de Fora, o atleta de 37 anos, 1,87m e 95kg conta que iniciou por acaso no esporte. "Comecei em 2002, como a maioria das pessoas, para ter um corpo melhor. Fiz a preparação de um ano, visando ao carnaval. Depois disso, o meu treinador (Bruno Marinho, da Pumping Iron) percebeu que eu tinha potencial para o fisiculturismo e me disse: 'por que você não disputa o Campeonato Mineiro'? Fui lá e venci. Depois disso, não parei mais", conta Carlão, que possui quatro campeonatos brasileiros (2010, 2011, 2012 e 2013) de fisiculturismo clássico acima 1,80m e um sul-americano (de 2010, no Chile). Mas, para conseguir esses resultados e chegar a menos de 2% de gordura corporal (em período de competição), a rotina não é fácil. 

 

Frango e batata

Carlão acorda todos os dias às 5h, e a "malhação" começa na cozinha. Ele prepara seu menu para o dia: proteína e carboidrato, ou seja, 150g de carne branca (frango ou peixe) e 200g de batata. Essa é a única opção alimentar do fisiculturista em época de preparação para as competições. Sete vezes por semana, nas seis refeições diárias que ele faz, de três em três horas. Diferentemente de outros atletas, que utilizam, em um dia da semana, o "dia do lixo", onde outros alimentos são permitidos, Carlão acredita que a dieta totalmente restritiva é mais efetiva. "Sempre fiz a dieta com o dia do lixo, mas para o último Arnold resolvi mudar. Achei que meu corpo respondeu muito bem e vou continuar assim."

Além das batatas e peitos de frangos, Carlão também utiliza diversos suplementos alimentares. "Hoje, eu sou patrocinado (MET-EX e Vitasport), mas antes eu deixava de comprar roupas para comprar suplementos. Imagino que o meu gasto mensal com suplementação hoje chega a R$1 mil facilmente", afirmou.

Carlão começa a se preparar com três ou quatro meses de antecedência, dependendo do campeonato que vai disputar. Às vésperas da competição, a rotina alimentar é ainda mais restritiva. "Três dias antes da prova, nós entramos em processo de cetose, isto é, cortamos o carboidrato e só comemos proteína. Isso intensifica a queima de gordura do organismo." E a restrição atinge também os líquidos. "Dois dias antes da competição, cortamos a água. E, com a aproximação da competição, começamos a carboidratar o corpo, gradativamente, em doses homeopáticas. Assim, a musculatura fica mais inflada, próxima da pele e com aspecto mais denso. Fica mais definida", explica.

 

Ritmo, disciplina e descanso

Como Carlão é personal trainer, a rotina dele se passa dentro de academias de ginástica. Às segundas, quartas e sextas-feiras, ele chega às 7h e sai apenas às 22h. "É uma rotina cansativa demais. Eu faço isso três vezes por semana. Duas vezes por semana, eu dou um ritmo bem menor de aulas e tenho mais tempo para descansar. Afinal, o músculo cresce quando descansamos", afirma.

Apesar de ficar o dia inteiro na academia, Carlão diz que seu treino é rápido. "Treinando, gasto apenas 1h30min. Trabalho, em média, três grupos musculares por dia e faço alguns minutos de aeróbico." O dia de repouso do fisiculturista é no domingo. "O segredo é basicamente seguir a dieta e ter dedicação nos treinamentos. A disciplina é o caminho do sucesso".

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?