Publicidade

27 de Março de 2014 - 07:00

Elenco se reapresenta para o trabalho, e técnico interino Ludyo Santos prega cautela na hora de determinar dispensas

Por Wallace Mattos

Compartilhar
 
Reencontro marcou reapresentação do Tupi
Reencontro marcou reapresentação do Tupi

Sem atividades em campo, a reapresentação do Tupi depois da folga de dez dias aos atletas após a eliminação do Campeonato Mineiro foi somente um reencontro. A maioria do elenco esteve no salão da sede social do clube, no Centro, e se reuniu com a comissão técnica e integrantes da diretoria. A principal novidade foi o anúncio oficial feito pela presidente do Carijó, Miryan Fortuna, de que o auxiliar-técnico Ludyo Santos será o técnico interino do time juiz-forano pelo menos no início do processo de reformulação do grupo para o restante da temporada 2014.

Santos encara a situação como mais uma chance de mostrar seu potencial. "Me sinto muito confortável. Para mim, todo treinador é interino no Brasil. Basta ser derrotado em três jogos que ele perde o emprego. Minha situação é um pouco diferente. Assumo interinamente com a responsabilidade de conduzir o trabalho, e os resultados virão de forma natural. A diretoria tem demonstrado total confiança em mim e estou aqui para contribuir da melhor forma possível. Não sei até quando será e vou tentando aproveitar da melhor forma possível as oportunidades que estão sendo dadas."

Com a missão de mexer no elenco para a sequência da temporada, Ludyo tem uma equação complicada para resolver, pois as dispensas e contratações têm que ser avaliadas com mais atenção nesse período, pensando em duas competições. "Já temos algumas situações bem encaminhadas, tanto de chegadas como de saídas, mas tudo parte de um planejamento que deve ser equacionado. A maioria dos reforços que temos buscado é de jogadores que já jogaram ou ainda vão estrear na Copa do Brasil por outros clubes e, automaticamente, não podem atuar pelo Tupi nesse torneio, somente pela Série C. Temos que ter muita cautela nesse momento para pensar nas duas frentes", destacou Santos, deixando claro também que as negociações passam pela questão financeira e de mercado.

Nesta quarta-feira (26), do grupo que disputou o Mineiro, somente o zagueiro Nilo não esteve presente à reapresentação e não se justificou para a diretoria. O volante Genalvo, liberado para resolver questões particulares, e o atacante Ademilson, recuperando-se de uma cirurgia no tendão de Aquiles, foram as outras ausências. Nesse período de indefinições, o elenco fica na expectativa sobre a continuidade ou não para a sequência da temporada. Único atleta liberado para falar com a imprensa, uma vez que renovou seu vínculo até o fim da Série C, o meia Raphael Toledo disse esperar que a maioria dos companheiros fique em Santa Terezinha. "A expectativa é boa, de um elenco forte para as competições que vamos ter pela frente. A gente espera que muitos jogadores que estavam no Mineiro possam ficar, porque o grupo estava bem e entrosado, mas isso cabe à diretoria. O importante agora é fazer um bom período de treinamentos para jogar a Copa do Brasil e estrear na Série C."

 

 

Trabalhando para a sequência do ano

Se Ludyo é o técnico interino, a busca por um treinador nos bastidores segue, com o nome de Léo Condé à frente para assumir o Tupi, e Mário Marques correndo por fora ao lado de Felipe Surian e Toninho Andrade. Sabendo que seu período à frente do Carijó pode terminar a qualquer momento, Santos tem estado atento aos nomes passados pela diretoria e pretende moldar o novo elenco ao gosto de quem assumirá para a sequência da temporada. "Já conheço os nomes com os quais a diretoria gostaria de contar como treinador, e a gente já vai iniciar um planejamento de acordo com ideias e perfil de atletas que agradam a todos os treinadores que podem vir", garantiu, sem revelar quem poderia ser o futuro comandante carijó.

Na avaliação de Ludyo, a lateral-esquerda e o comando de ataque são as prioridades para o Tupi nesse momento. "O Toledo foi uma grata surpresa para todos. Supriu bem a lacuna da lateral-esquerda, mas a gente não sabe da permanência dele como lateral, e talvez seja uma posição carente. Com a lesão do Ademilson, nosso atacante de área, passamos a ter o Wesley e o garoto Élder (Santana) como opções. Devemos ir ao mercado buscar contratações nesses setores", prevê.

O interino tem claro qual deve ser o perfil de jogadores e do futuro elenco do Carijó para a Terceirona. "A Série C é um campeonato muito diferente do Mineiro. Você precisa de jogadores mais competitivos, aguerridos, que vão honrar a camisa do Tupi às vezes abrindo mão de uma qualidade técnica diferente. Vamos buscar jogadores mais experiente", explica.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da liberação da maconha para uso medicinal?