Publicidade

25 de Março de 2014 - 07:00

Léo Condé ganha força nos corredores de Santa Terezinha, e Surian corre por fora

Por Tribuna

Compartilhar
 

Depois da confirmação do término da passagem de Paulo Campos pelo comando técnico do Tupi, no fim da última semana, o clube de Juiz de Fora vai passar mais um período sem treinador. A previsão é que só aconteça uma definição quanto ao nome do novo técnico do Carijó a partir de sexta-feira. A reapresentação do grupo, no entanto, está confirmada para a tarde desta quarta-feira (26), quando devem estar em Santa Terezinha os atletas que participaram da campanha no Campeonato Mineiro, liberados desde o último dia 16 de março, data da derrota para o Guarani, por 2 a 1, no Estádio Municipal.

Segundo o vice-presidente do Conselho Gestor do Tupi, Cloves Santos, para o início de trabalho visando aos próximos compromissos da temporada não é necessária a presença do novo técnico. Assim, o comando dos trabalhos ficará por conta da comissão técnica permanente do Carijó. "Nessa fase serão feitos exames e mais atividades físicas. Para isso temos o Luís (Augusto Alvim, preparador físico), além do Lúdyo (Santos, auxiliar-técnico) e do Júlio (Cirico, também auxiliar-técnico). Eles vão começar o trabalho, e avançaremos nas negociações para escolhermos o treinador com tranquilidade", explicou o dirigente.

A espera para a contratação de um novo comandante faz aumentar as chances de um velho conhecido da torcida local assumir o clube. O nome de Léo Condé ganhou força no fim de semana para dirigir novamente o Carijó. Apesar de ainda ter contrato com a Caldense, equipe que comandou no Campeonato Mineiro, até pelo menos o dia 2 de abril, quando seus comandados enfrentam o Duque de Caxias, em Poços de Caldas, pela Copa do Brasil, o treinador da Veterana teria vantagem por conhecer o time juiz-forano e sua realidade financeira para a formação do elenco para a Terceirona.

Além de Condé, as principais possibilidades para o comando técnico no restante da temporada seriam Felipe Surian, ex-Anápolis, e também intimamente ligado ao Alvinegro de Santa Terezinha, do qual foi jogador e técnico, e Mário Marques, que encerrou no último domingo sua participação no Carioca com o Bangu. Toninho Andrade, atualmente no Volta Redonda, surgiu como possibilidade, mas sua extensão de compromisso com o Voltaço até o fim da Copa Rio, que começa a valer a partir de agosto, e o alto padrão salarial dos jogadores que costuma contar em seus elencos tornam difícil sua contratação.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você leva em consideração a escolaridade do candidato na hora de votar?