Publicidade

19 de Janeiro de 2014 - 07:00

Conheça o grupo de jogadores que vai defender o Alvinegro de Santa Terezinha no Campeonato Mineiro, na Copa do Brasil e na Série C do Campeonato Brasileiro

Por Wallace Mattos

Compartilhar
 

Em ano que terá calendário cheio de competições, o Tupi estreia daqui a uma semana no primeiro torneio da temporada. Reformulado em relação ao último ano, o elenco carijó vai apresentar caras novas, mas também manteve e repatriou velhos conhecidos da torcida juiz-forana para a caminhada no Campeonato Mineiro. O primeiro compromisso do Carijó no Estadual será contra o América-MG, no dia 26 de janeiro, próximo domingo, às 19h30, no Independência, em Belo Horizonte, e a equipe comandada pelo técnico Wilson Gottardo apresentará a versão 2014 do Alvinegro de Santa Terezinha.

Para utilizar no Estadual, Gottardo tem à sua disposição um elenco com média de idade de 25,3 anos. No grupo, remanescentes da campanha que garantiu o acesso à Série C do Campeonato Brasileiro, como os goleiros Gonçalves e Douglas Borges; os laterais Henrique, Magnum e Thiaguinho; os zagueiros Fabrício Soares e Rafael Vitor; os volantes Felipe Lima, Genalvo e Maguinho; o meia Toledo; e os atacantes Núbio Flávio e Ademilson. Outros atletas retornam a Santa Terezinha, como é o caso do goleiro Jordan e dos meias Sidnei e Fábio Tenório. Entre aqueles que nunca haviam vestido a camisa carijó, o atacante Da Silva foi quem mais se destacou na pré-temporada, comandando a linha de frente da equipe.

Sem precisar garantir no Estadual uma vaga em torneio nacional para se manter de portas abertas no segundo semestre, o Tupi entra no Mineiro com o pensamento já na Terceirona, como explica o diretor-executivo de futebol, Alberto Simão. "Temos uma competição com um nível muito alto pela frente, que é a Série C do Brasileiro. É diferente da Série D, é bem mais técnica, o que exige um elenco de mais qualidade. Então, renovamos com atletas de 2013 que foram bem e têm características para a disputa da Série C. Buscamos reforços pontuais, alguns com característica de já conhecerem o clube e a cidade para adaptação mais rápida, dentro de nossas possibilidades financeiras. Mais uma vez, montamos uma equipe competitiva com um dos menores orçamentos do Brasil."

Mesmo com o olhar voltado para a competição nacional, a diretoria do Tupi não quer que a equipe faça feio no Estadual e, por isso, destaca a importância do torneio. "O Tupi tem uma história no Campeonato Mineiro. Até por seus cem anos de trajetória e sua torcida que cobra muito, não podemos entrar para somente participar. Então, entramos na disputa buscando a classificação para as semifinais. Mas o mais importante para nós é montar uma espinha dorsal para a disputa da Série C. Até porque, esse ano, a Terceira Divisão começa duas semanas após o término do Estadual. Assim, não haverá a possibilidade de poupar agora no Mineiro para jogar a Série C forte. Pelo contrário, a equipe da competição nacional tem que ter uma base forte desde agora, pois não há tempo para adaptações ou muitas contratações entre um torneio e outro", constata Simão.

 

 

Reforço, só se for negócio da China

Para Gottardo, seu grupo está praticamente fechado e só chegará mais alguma peça caso apareça uma grande oportunidade de mercado. "Está difícil contratar jogadores que fazem a diferença. Estamos respeitando os padrões do Tupi, acompanhei um pouco do mercado e vi alguns clubes contratando por pequenas fábulas, considerando o seu patrimônio e sua situação financeira, jogadores iguais ou até inferiores aos que temos aqui. Então, saber contratar é que faz a diferença, não basta ter o dinheiro. Procuramos tomar decisões minuciosas, detalhadas nas contratações. Até por isso nos alongamos mais nesse período de testes e avaliações. Assim, acredito que o elenco está praticamente definido. Só se surgir um bom nome, que venha a acrescentar para a gente aqui. Temos um grupo bastante uniforme em nível de apresentação. Não tem ninguém muito abaixo ou muito acima. Desta maneira, somente se aparecer a oportunidade de contratar alguém diferenciado é que vamos analisar se vale a pena."

Satisfeito com o a evolução de seus comandados na pré-temporada até aqui, Gottardo elogia o ambiente no Carijó. "Não é simples montar um elenco, fazer contratações e entrosar um time. Demora até meses. E quando não há um ambiente bom, acaba atrapalhando. O interessante aqui no Tupi é que os atletas têm se dado superbem, respeitando as individualidades. Tenho visto alegria no dia a dia, eles interagem um com outro, e isso é muito bom, facilita a assimilação das nossas ideias, do nosso trabalho." Segundo o treinador, a evolução do rendimento foi visível das últimas duas semanas para cá. "O jeito de eles entenderem os métodos de treinamentos, a estrutura tática e o modelo de jogo, tudo isso me deixou satisfeito. Agora é fortalecer mais a mente, prepará-los psicologicamente para todos esses embates que teremos pela frente e acreditando sempre na vitória, seja dentro de casa ou fora. Jogar com equilíbrio e muita força para buscar esses resultados", projeta Gottardo.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da liberação da maconha para uso medicinal?