Publicidade

21 de Março de 2014 - 15:53

Sem recursos para pagar os vencimentos de Paulo Campos, Carijó vai procurar outro técnico

Por Wallace Mattos

Compartilhar
 

Atualizada às 21h19

Terminou mesmo na derrota por 2 a 1 para o Guarani, na última rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro, no dia 16 de março, a passagem de Paulo Campos pelo comando técnico do Tupi. Depois de dias de intensas negociações, o treinador e a diretoria do Carijó não chegaram a um acordo financeiro, e o técnico não permanecerá em Santa Terezinha para a sequência da temporada na qual o clube juiz-forano tem pela frente a segunda fase da Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro da Série C.

De acordo com o vice-presidente do conselho gestor do Tupi, Cloves Santos, e o próprio Paulo Campos, o salário que o clube pode pagar e o que o treinador pedia não eram compatíveis. "Chegamos ao nosso máximo nessa negociação. Infelizmente, isso não chega ao mínimo que ele pedia. Assim, não houve acordo", explicou o dirigente. "Sabia das dificuldades do clube. Fiz um esforço para permanecer e pedi somente o que cobriria minhas despesas mensais. Infelizmente, por falta da segurança de um patrocínio que cobrisse isso, por exemplo, o clube não teve condições", disse o treinador.

O agora ex-técnico carijó fez questão de agradecer o apoio recebido em Juiz de Fora e espera que esse tenha sido somente o começo de sua relação com o clube local. "Saio um pouco chateado por querer ficar, mas muito feliz com tudo o que vivi na cidade. Estou com a consciência tranquila e gostaria de agradecer ao torcedor que comprou nossa ideia; à mídia, pelo apoio; aos jogadores e integrantes da comissão técnica, pela dedicação; além da diretoria, que se esforçou para que eu ficasse. Fico feliz por ter conquistado a vaga na segunda fase da Copa do Brasil à frente do clube e por ter ficado perto da vaga para as semifinais do Mineiro, que escapou por motivos alheios ao trabalho de campo. Considero positiva minha passagem pelo clube. Deixei as portas abertas, quem sabe volto no futuro? Eu gostaria", disse Campos.

Paulo Campos dirigiu o Tupi nos confrontos com Tombense (1 a 1), Boa Esporte (1 a 0), Cruzeiro (1 a 2) e Guarani (1 a 2), pelo Campeonato Mineiro, resultados que colocaram o Carijó na quinta posição do Estadual, fora da segunda fase da disputa. Na Copa do Brasil, o comandante esteve à frente do time na vitória por 2 a 0 sobre o Juazeiro, na Bahia, que eliminou a necessidade do jogo de volta para a definição do confronto. O próximo compromisso do Alvinegro de Santa Terezinha será também pela competição nacional, em data ainda a ser definida, a partir do dia 23 de abril, contra o vencedor do embate entre Horizonte-CE e Fluminense. Os cearenses venceram o primeiro jogo, na última quinta-feira, por 3 a 1. A volta está marcada para o dia 10 de abril, no Maracanã.

 

Busca

Sem técnico, o Tupi terá que ir ao mercado. Isso já causou efeito direto na reapresentação do jogadores, inicialmente prevista para a segunda-feira, dia 24 de março, e adiada para a próxima quarta-feira à tarde. "Não vamos definir técnico nesse fim de semana. Esperamos ter um treinador contratado na volta do grupo de jogadores", explicou Santos, sem citar possíveis alvos para comandar o Carijó.  

Alguns nomes para o cargo de treinador do Tupi na sequência da temporada vêm ganhando força nos bastidores de Santa Terezinha. A lista inicial tem Léo Condé, atualmente no comando da Caldense; Felipe Surian, que treinou o Anápolis no Campeonato Goiano; e Mário Marques, atual técnico do Bangu. O primeiro chegou a ser a principal opção para assumir o Carijó, mas como a Caldense o confirmou até o dia 2 de abril, perdeu espaço. Os outros dois candidatos têm disponibilidade para começar a trabalhar na próxima quarta-feira, já que Surian está sem clube, e Marques termina seu compromisso com a equipe do Rio de Janeiro neste domingo. 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?