Publicidade

14 de Maio de 2014 - 06:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

Os treinos técnico-táticos do Tupi para o segundo compromisso seguido em casa pela Série C 2014 começaram ontem. Buscando iniciar a armação de sua equipe para o confronto do próximo sábado com o Caxias, às 16h, no Estádio Municipal, o técnico alvinegro, Léo Condé, comandou um trabalho em campo reduzido na Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB). Nele, o treinador carijó não pôde contar com a presença do zagueiro Marcelinho e ainda não sabe se poderá utilizá-lo diante dos gaúchos.

Contratado na última semana, Marcelinho chegou a Juiz de Fora na terça-feira e já foi titular no sábado, na vitória por 1 a 0 sobre o Guaratinguetá, mas sentiu o músculo adutor da coxa direita e não retornou com a equipe do vestiário no intervalo, sendo substituído pelo meia Ewerton Maradona. Hoje o atleta vai passar por um exame de imagem para saber se há lesão ou não em sua perna. "Senti que não estava normal durante o primeiro tempo e, quando o corpo esfriou, a dor aumentou e não deu para voltar. As dores já melhoraram um pouco, mas ainda incomodam. Pelo que me conheço, não acho que tenha uma lesão e espero estar em campo sábado", explicou o carijó que no Campeonato Mineiro perdeu três partidas da Caldense por conta de uma contusão no mesmo músculo, mas da coxa esquerda.

Segundo o médico do Tupi, José Roberto Maranhas, Marcelinho segue em tratamento até ser reavaliado hoje. "Vamos realizar esse exame de imagem e reavaliar o atleta. Mas ele segue se tratando e temos que aguardar para definir se terá ou não condições de atuar no sábado. Quando ele saiu no último jogo foi mais por precaução, então não acreditamos que seja algo mais grave, mas só mesmo depois dessa reavaliação é que poderemos saber se estará apto ou não", disse Maranhas.

O técnico Léo Condé espera contar com o atleta no sábado e diz que sua escalação diante do Guaratinguetá foi um risco necessário. "Vamos esperar até o último momento pelo Marcelo pois é um jogador importantíssimo. Sabia que algo assim poderia acontecer, pois ele estava chegando agora na equipe, mas por conta da necessidade resolvemos arriscar. Vínhamos tendo dificuldades na marcação no setor direito e, até mesmo por conta de adiantar o Henrique, optamos por colocar o Marcelo que teve uma atuação segura enquanto esteve em campo", avaliou o treinador.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?