Publicidade

30 de Janeiro de 2014 - 07:00

Por WENDELL GUIDUCCI

Compartilhar
 

Para cabra-hôme

ALibertadores da América é o campeonato mais difícil do mundo. Já foi mais, quando a situação econômica dos países da América do Sul, antes mesmo da entrada dos mexicanos no certame, era mais equilibrada. Hoje, com o Brasil arrotando o status de sétima maior economia do mundo, o trem desandou. Nos últimos dez anos, foram seis clubes brasileiros campeões, dois argentinos, um colombiano e um equatoriano. Os quatro últimos, desde 2010, foram Internacional, Santos, Corinthians e Atlético-MG.

Libertadores é pra cabra-hôme (opção sexual não vem ao caso). Menino criado a leite de pera não vinga nas andanças pelas terras por onde caminharam incas, maias, astecas, tupis e guaranis. Ao Sul do Equador o buraco é mais embaixo. Nesta edição de 2014, porém, o favoritismo continua do lado de cá da linha de Tordesilhas. Os times brasileiros, entre os quais se ouve cada vez mais o portunhol, são mais ricos (mesmo quebrados) e, portanto, mais fortes.

Não que seja - jamais será - fácil para os tupiniquins. A Libertadores continua osso duro. Ainda há a catimba argentina, que é igual à uruguaia (embora ambos detestem a comparação), o jogo duro dos paraguaios, os árbitros-que-não-dão-qualquer-faltinha, as altitudes andinas, os caldeirões, a inutilidade do português em um continente em que todo mundo fala a língua de Pizarro.

Todo mundo menos nós, colonizados por uns bonachões vindos das barras do Tejo e, por isso, mais estrangeiros que todos os estrangeiros da vasta América Latina.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você confia nas pesquisas eleitorais?