Publicidade

10 de Abril de 2014 - 06:00

Por WENDELL GUIDUCCI

Compartilhar
 

Gracias pela noite

Toda vida eu gostei da cultura mexicana.

A camisa mais bonita que tenho é aquela preta da seleção do México.

Gosto do Chaves até hoje. E da Chiquinha e do Quico e do Seu Madruga e do Professor Girafales e do Nhonho e do Seu Barriga e da Bruxa do 71 e do Jaiminho, o Carteiro. E do Chapolin, naturalmente.

O Ligeirinho é um dos meus personagens preferidos da Warner Bros.

E o cinema mexicano contemporâneo? Alejandro González Iñárritu, Alfonso Cuarón, Guillermo del Toro... só casca grossa.

Na música, a mesma coisa: Café Tacvba, Julieta Venegas, Control Machete, pessoal maneiro. Maná também.

A história do México é magnífica, ainda que trágica, o império asteca, o chocolate, as pirâmides, Montezuma, o sacana do Hernán Cortez, as divindades - tenho uma serpente asteca de duas cabeças no braço, foi minha primeira tatuagem.

E a comida mexicana? Tacos, burritos, tortillas, quesadillas, nachos, guacamole, que dá pra fazer mesmo quando não tem fogão. Bom demais da conta.

O mesmo vale para as bebidas: tequila pura, com limão e sal, na marguerita tradicional, na frozen.

A Salma Hayek eu também acho digna desde aquele número com a cobra amarela em "Um drink no inferno".

Gosto mesmo do México. E do Flamengo. E vou continuar gostando.

(Isso explica esse duplo sentimento de "você-não-vale-nada-mas-eu-gosto-de-você" que ora me atormenta.)

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?