Publicidade

26 de Maio de 2012 - 07:00

Por Wallace Mattos

Compartilhar
 

Na metade da década de 1960, o Tupi surpreendeu os grandes clubes de Minas Gerais e criou uma lenda que ganhou o Brasil: o Fantasma do Mineirão. A expressão, cunhada pelo comentarias belorizontino Osvaldo Faria, da Rádio Itatiaia, e pelo técnico da equipe Geraldo Magela Tavares, estampou os jornais depois das vitórias em sequência sobre Cruzeiro, Atlético-MG e América-MG, e até hoje identifica uma das passagens mais gloriosas de toda a história do Tupi.

Segundo quem esteve em campo contra essa equipe mitológica, os carijós tinham muita qualidade. "O Tupi era um carrapato. Na marcação, não largava a gente. Quando tinha a bola, não soltava de jeito nenhum. Eram jogadores de muita técnica e marcação forte também. Foi isso que mais me marcou", conta o ex-meia Dirceu Lopes, ídolo do Cruzeiro. "Enfrentar jogadores da categoria do João Pires (ex-atacante do Carijó), por exemplo, era duro", concorda Jair Bala, ex-atacante do América, que depois viria a ser técnico do Tupi.

A lenda começou a ser construída em 1965. Depois de terminar o primeiro turno do campeonato da cidade em último lugar, o Tupi trouxe de volta o técnico Geraldo Magela Tavares e venceu o segundo turno, batendo na decisão o arquirrival Tupynambás. "Naquela época havia o hábito de convidar o campeão de Belo Horizonte para jogar contra o campeão daqui", conta Toledinho, meia e ponta daquela equipe. "O jogo serviria também para gerar renda e dar uma gratificação aos atletas pela conquista", acrescenta Magela.

No Salles Oliveira, no dia 6 de março de 1966, o Cruzeiro foi vencido por 3 a 2. Em seguida, sabendo da derrota do rival, o Atlético-MG convidou o Tupi para um embate em Belo Horizonte. Nova vitória por 3 a 2 do Carijó, no dia 10 de março. O terceiro clube da capital então chamou o time de Juiz de Fora para tentar batê-lo e caiu por 2 a 1, também na capital, no dia 6 de abril. Na sequência, a revanche pedida pela Raposa terminou em outro 2 a 1 para os juiz-foranos. "Então, o Osvaldo me chamou e disse: 'esse time é um fantasma'. E eu completei, 'é, o Fantasma do Mineirão'", relembra Magela.

Para quem estava em campo, a qualidade da equipe continua viva na memória. "Nos fechávamos fortemente e saíamos com rapidez, com o João Pires, o Francinha, o Vicente e eu usando nossa velocidade. Era ruim de segurar", lembra Toledinho. "Não tinha ninguém grosso, não. Todo mundo marcava, mas todo mundo tocava a bola e segurava com precisão. Eram todos jogadores de qualidade e, principalmente, muito amigos. Acho que esse era nosso principal segredo", considera João Pires.

Sabendo dos feitos do Tupi, o técnico da Seleção Brasileira, Vicente Feola, que preparava o time canarinho para a Copa de 1966, convidou os juiz-foranos para um jogo-treino em Caxambu. Depois de o Carijó sair na frente, o empate de 1 a 1 acabou saindo só após uma extensão do tempo combinado de atividade e gerando um novo embate, desta vez em Três Rios. Desta vez, a Seleção ganhou por 3 a 2, com os juiz-foranos desperdiçando um pênalti no fim da partida.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?