Publicidade

24 de Junho de 2014 - 06:00

Por WALLACE MATTOS

Compartilhar
 

Caros e caras, Brasil classificado com uma pitada de emoção extra diante dos camarões eliminados, mas foi. Ufa! Agora é espremer essa vitória e a primeira fase e fazer um caldo grosso para derramar em cima dos chilenos empolgados. Nessa receita, Felipão deveria retirar alguns ingredientes que não deram certo na mistura dos três primeiros jogos e tentar sabores mais empolgantes. Nada contra os tradicionais, mas tem tempero de sobra no banco do Brasil para que o chef canarinho faça variações em busca de um melhor paladar para o torcedor. Hulk, Oscar, Daniel Alves, Marcelo e Fred ainda têm que colocar na mesa pelo menos um futebol mais esforçado. Ainda bem que temos o apimentado Neymar para garantir a ceia.

Menos mal que o próprio pai da Família Scolari fez, no segundo tempo da goleada de ontem, a troca da especiaria correta em sua receita, tirando Paulinho e colocando Fernandinho. Em 20 minutos de Copa do Mundo, o jogador do Manchester City fez muito mais do que o companheiro titular que, infelizmente, nos jogos que fez, não conseguiu jogar com a bola no pé e nem ajudar a marcar sem ela, deixando o meio de campo brasileiro meio insosso. O reserva usado como pitada diferente por Felipão deu volume ao meio de campo, desarmou, chegou na frente e fez um gol. Para mim, garantiu a vitória sem sombra de dúvidas e, se não fosse ele para colocar ordem na janta, iríamos continuar comendo empurrado até o final, certamente. Diante dessa atuação, é mais do que hora de o técnico brasileiro mudar a receita para que a torcida possa saborear no fim mais uma conquista da Copa do Mundo.

Agora teremos o Chile pela frente. Time com meio de campo habilidoso, com Aranguiz, Vidal e Valdivia como ótimas opções - só dois deles jogam habitualmente, o outro fica no bando. Um ataque muito rápido e de intensa movimentação, com Vargas e Sanchez, além de um sistema de marcação de pegada forte mais adiantada. Mas nada que não possa ser batido. O caminho brasileiro deve ser pelo alto, onde a zaga chilena é fraca e o goleirão Bravo também não inspira confiança, e as tentativas de roubadas têm que ser mais à frente, para aproveitarmos a falta de intimidade dos defensores do adversário com a bola nos pés.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?