Publicidade

06 de Abril de 2014 - 06:00

Segundo secretário de esporte, projeto será desmembrado em duas partes, e intenção é ter o gramado recuperado até o início do segundo semestre

Por WALLACE MATTOS

Compartilhar
 
Francisco Canalli aponta locais que sofrerão intervenção
Francisco Canalli aponta locais que sofrerão intervenção

Depois de ficar no "quase" no fim do ano passado, as reformas no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio devem sair do papel nos próximos meses. Na última semana, o secretário de Esporte e Lazer, Francisco Canalli, recebeu boas notícias vindas da Caixa Econômica Federal com relação ao R$1,4 milhão liberado desde o segundo semestre do ano passado para trabalhos de recuperação da arena local, que completou 25 anos em 2013. O plano contempla principalmente o gramado e os vestiários, setores que demonstram mais visivelmente as marcas da idade.

Com o aval do banco e do Ministério do Esporte, a Secretaria de Esporte e Lazer (SEL) pode separar em duas partes o projeto inicial da reforma, agilizando a análise da parte inicial, que trata da recuperação do gramado. "O campo sempre foi uma das preocupações nossas, porque, dependendo do que se faz de obra no estádio, você pode realizar jogos normalmente. Com a grama em reforma, não tem jeito de jogar. A gente tem que aproveitar a brecha nessa parada das competições para a Copa do Mundo para que possamos fazer esse trabalho no campo. Tivemos a notícia positiva de que, inicialmente, poderemos fazer o processo licitatório da grama, enquanto segue o processo de análise dos outros itens do projeto de reforma estrutural", explica Canalli, destacando que a análise da reforma do gramado fica pronta nos próximos dias.

A partir do sinal verde da Caixa, a intenção do secretário é simplificar a concorrência pública para a escolha da empresa que vai executar a primeira parte das obras e, assim, ganhar tempo. "A expectativa é correr para colocar em ação o processo licitatório da grama. Queremos começar a reforma no gramado ainda no primeiro semestre. Esta obra terá o limite de R$ 150 mil, o que, dentro da lei, nos permite simplificar a licitação, fazendo através de carta-convite, na qual as empreiteiras interessadas sabem esse limite, enviam propostas, e aquela que tiver o menor preço vence o processo e executa a obra."

O secretário acredita que até o fim do próximo mês a empresa esteja definida. A partir daí, o calendário de compromissos do Tupi entra em jogo. O Carijó tem seu último duelo em casa antes da parada para a Copa previsto para o dia 1º de junho, com retorno ao Estádio Municipal no dia 3 de agosto. A empreiteira teria então dois meses para a reforma da grama, prazo suficiente na ótica de Canalli. "A ideia é já ter a empresa apta no fim de maio para que, em junho, comecem os trabalhos. Compreendemos que, dentro de 60 dias, teremos pronto o gramado. Essa é a nossa expectativa."

 

Uniforme

Nos planos da SEL para o gramado não está uma troca total, mas uma uniformização do tapete do Estádio Municipal. Atualmente, duas espécies de grama são encontradas no campo. A intenção é eliminar a que foi plantada em pontos específico para tapar algumas imperfeições. "São dois tipos de grama no Mário Helênio: a esmeralda e a bermuda. O projeto prevê que isso acabe. Todos os pontos que não forem de esmeralda vão ser eliminados, o solo será tratado, e os setores, replantados com esmeralda. Isso é para que o piso seja novamente uniforme", explica Canalli.

 

Enquanto a primeira etapa da reforma dos setores essenciais do Estádio Municipal estiver em curso, a esperança da SEL é que a análise do restante da obras pela Caixa termine, e o financiamento do projeto como um todo seja liberado para que os trabalho sigam. Nessa segunda fase, o calendário de jogos na arena local também vai influenciar o ritmo do que será feito, principalmente nos vestiários, que devem ganhar novos chuveiros, boxes, reservados, vasos sanitários e ter instaladas banheiras de hidromassagem. "Nesse meio tempo, enquanto o gramado é reformado, acreditamos que a outra parte do projeto de reforma, tendo as obras nos vestiários como foco principal, já deve ser liberada e poderemos, no segundo semestre, partir para a licitação dela. Vamos tentar adequar o tempo e a execução com o calendário de partidas marcadas para o Municipal", deseja o secretário.

Segundo Canalli, não há risco de que a verba do Ministério do Esporte, cuja primeira liberação aconteceu no fim de 2012, passou por uma suplementação no primeiro semestre de 2013 e foi liberada na segunda metade do mesmo ano, mas não começou a ser utilizada até o momento, seja devolvida à pasta federal. "Estamos cumprindo os prazos. A partir do momento que começarmos a executar um dos processos de reforma, neste caso o do gramado, estaremos utilizando a verba. Mas não ficaremos sossegados com relação à liberação da segunda etapa. Trabalharemos para que ela saia o mais rápido possível. Nossa intenção é, até o fim do ano, entregarmos essa reformulação toda, incluindo a parte de vestiários e cabines de imprensa."

 

Monitoramento e placar

Apesar de não estarem contempladas no projeto original da reforma enviado à Caixa, as instalações de monitoramento eletrônico e de um sonhado placar eletrônico estão sendo estudadas pela SEL. "Além do gramado, a reforma dos vestiários e das cabines de transmissão são as prioridades, mas estamos trabalhando também um projeto de monitoramento com câmeras de vídeo para maior segurança e utilização da Polícia Militar, além do placar eletrônico. A expectativa é usar a verba de contrapartida da Prefeitura, que é de 8% do valor da obra, para que isso seja instalado", espera o secretário.

 

Segunda parte da reforma

Segundo o site oficial da Federação Mineira de Futebol (FMF), a capacidade do Mário Helênio hoje é para 10 mil torcedores. Mas, de acordo com o secretário municipal de Esporte e Lazer, isso acontece apenas por conta de uma limitação estrutural. Segundo ele, com a possibilidade de locação de equipamentos como câmeras e roletas, há um acordo com as entidades de segurança pública autorizando o Estádio Municipal a receber mais gente.

"Temos a liberação do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar para 31.863 pessoas. A cada situação, nos adequamos. Por exemplo, a partir de 10 mil pessoas, temos de trabalhar com o monitoramento e as catracas eletrônicas. Em possibilidade de jogos grandes, terceirizamos esses serviços e trabalhamos com esse público", explica Canalli, afirmando que a pasta já iniciou o trabalho de renovação dos laudos, que vencem em meados deste ano, necessários para a arena local receber partidas até a próxima temporada. "Começamos esse trabalho de renovação de laudos, até porque temos a certeza de que haverá jogos aqui até o fim do ano que vem."

 

Limitado a 10 mil torcedores

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho Vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?