Publicidade

23 de Maio de 2014 - 06:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

Buscando simular condições que seu time irá encontrar no interior de São Paulo neste fim de semana, o técnico do Tupi, Léo Condé, tirou a equipe da cidade para realizar, ontem, seu último treino coletivo antes do confronto com o Mogi Mirim, no próximo domingo, às 16h, pela quinta rodada do grupo B do Campeonato Brasileiro da Série C. Ao mesmo tempo, a iniciativa de realizar o treino no campo da Embrapa de Coronel Pacheco deu mais privacidade ao comandante carijó para definir a escalação de seus titulares longe dos olhos da imprensa local, ajudando a manter o suspense sobre quem entra diante do Sapão. Do outro lado do confronto, a diretoria paulista não foi nada sutil e blindou sua comissão técnica e jogadores.

Segundo Condé, o treino em Coronel Pacheco pode contribuir para que o time volte da viagem até o interior paulista com uma vitória. "O futebol tem uma série de fatores que, somados, fazem com que você vença a partida. Temos que procurar nos aproximar mais da condição que iremos enfrentar no jogo. Realizar esse treino na Embrapa não é garantia de ganharmos o jogo, mas ajuda pois principalmente a grama, do tipo batatais, e as dimensões são semelhantes às que existem no campo do Mogi. Procuramos adaptar os jogadores ao máximo para vivenciar algo parecido com o que eles terão pela frente no domingo", explica o treinador que além de contar com o zagueiro Wesley Ladeira, defensor do Mogi Mirim em 2013, comandou a Caldense em dois amistosos com o Sapão no local da partida deste fim de semana.

Com relação ao time, durante a semana o treinador alvinegro fez alguns testes, ganhou um reforço e perdeu outra alternativa. Recuperado de uma microlesão no músculo adutor da coxa direita, o zagueiro Marcelinho será opção tanto para a zaga como para a lateral-direita, mas não deve iniciar a partida contra o Sapão. Já o lateral-esquerdo Bruno Barros, que saiu do banco para marcar o gol da virada e da vitória por 2 a 1 sobre o Caxias, no último sábado, está fora da viagem a Mogi por conta de dores musculares.

A tendência é que Condé repita a formação que iniciou o confronto com os gaúchos em Juiz de Fora, mas, em busca da quebra do jejum de seu ataque, o treinador ainda não definiu quem serão os titulares do setor. Elder Santana e Maranhão, atuais titulares, além de Núbio Flávio e Oliveira, disputam duas vagas que podem se tornar três dependendo da situação da partida. "Ainda não defini quem serão os atacantes. O importante é que quem está jogando ou entrando tem nos ajudado bastante. Com o tempo o gol vai sair", confia Condé.

Do outro lado

Mesmo na liderança do grupo e invicto, o Mogi Mirim vive um clima de crise. O pentacampeão e presidente reeleito da agremiação, Rivaldo, chegou a ameaçar não disputar a Série C. Após fechar com um parceiro, o time entrou na competição, mas a parceria não vingou, e o ex-jogador continua bancando do próprio bolso, segundo ele, despesas de R$ 300 mil por mês. Agora, o dirigente ameaça abandonar a disputa da Terceirona e fechar as portas caso um investidor não apareça.

No último capítulo dessa novela, Rivaldo anunciou uma blindagem geral do elenco e da comissão técnica até a parada da Série C para a Copa do Mundo. Também foram tirados do ar o site oficial e a página do clube no Facebook. Confira a íntegra comunicado enviado á imprensa de Mogi: "Comunico aos profissionais de imprensa que acompanham os treinos do Mogi Mirim Esporte Clube que, com o propósito de manter os atletas e comissão técnica focados nos dois jogos restantes antes da parada da Copa do Mundo, não haverá coletivas e também não serão liberados os treinos para cobertura jornalística."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você leva em consideração a escolaridade do candidato na hora de votar?