Publicidade

15 de Março de 2014 - 18:20

Atletas amadores aproveitam competições internacionais e nacionais para conhecer novos lugares

Por Tribuna

Compartilhar
 
Lawrence e a família diante do Arco do Triunfo em Paris
Lawrence e a família diante do Arco do Triunfo em Paris
Pablo Pontes pedala em Cozumel no México
Pablo Pontes pedala em Cozumel no México
Pedro Ivo: Rio de Janeiro e Panamá como destino
Pedro Ivo: Rio de Janeiro e Panamá como destino

Além do gosto pela prática de esportes , alguns atletas amadores de Juiz de Fora possuem outra particularidade em comum: eles aproveitam que vão competir e fazem turismo. Os destinos que já percorreram foram muitos, e incluem municípios de diversos estados brasileiros e até mesmo terras estrangeiras. Para eles, disputar grandes provas nesses locais proporciona experiência e aumenta a vontade de praticar as modalidades.

Logo que começou a correr, em 2007, Lawrence Gomes, 46 anos, diretor do curso Cave, quis se arriscar na Maratona de Paris, na França. Depois, participou da corrida de Chicago, nos Estados Unidos. Lawrence disse que nunca corre sozinho os roteiros, pois em todas suas viagens ele leva sua esposa e os dois filhos. "Em Paris nós alugamos um apartamento e ficamos dez dias. Levar minha família é fundamental. Consigo unir duas coisas bacanas, que é viajar e praticar esporte."

Sobre as experiências que já teve, o atleta amador comentou que a Maratona de Paris pode ser intitulada como a mais bonita do mundo. "Atravessamos toda a cidade, que é linda. Durante o circuito também passamos por diversos parques. Já em Chicago, a corrida é interessante porque envolve a população inteira. O trajeto é todo plano, e o clima não é quente, o que também é considerado um atrativo."

Em novembro, o atleta amador tem destino certo: ele vai para o Arizona, Estados Unidos, para disputar o Ironman, modalidade de triathlon de longa distância. A diversão da viagem também já está definida: depois da prova ele e a família partem para São Francisco. "Não tenho interesse em me tornar um atleta de elite nem alcançar grandes resultados. Conhecer esses locais e participar já é surpreendente", contou.

Águas cristalinas

Os lugares que possuem belezas naturais são os destinos preferidos para competição do advogado Pablo Matheus Pontes, 33. Em seu currículo há duas provas internacionais em cidades conhecidas por belas paisagens e águas cristalinas. "A primeira foi uma prova de natação em Fuschel, na Áustria. Nesta, tive a experiência de nadar no meio dos Alpes. Minha segunda competição em uma cidade turística foi o Meio Ironman de Cozumel, no México. Lá, aproveitei as belezas do Mar do Caribe."

Para realizar suas viagens, Pontes disse que é preciso fazer um planejamento financeiro bem detalhado. "Como também vou com a intenção de passear, sempre levo minha esposa nas provas. Para este ano marcamos uma viagem para Foz do Iguaçu, no Paraná. Lá, vou participar do Meio Ironman. Um dos circuitos é atravessar o Lago de Itaipu, que fica na fronteira Brasil-Paraguai. Em 2015 pretendo competir na Austrália."

O Rio de Janeiro vai sempre continuar lindo para o supervisor de vendas Pedro Ivo, 29. O município, que já foi diversas vezes o seu palco de competições, como a Meia Maratona e a Maratona Internacional do Rio, em 2012 e 2013, respectivamente, é um de seus destinos turísticos preferidos. A próxima parada na Cidade Maravilhosa será hoje. O atleta vai participar da prova Rei e Rainha do Mar. "Consigo aliar o turismo às provas. A proximidade do Rio com Juiz de Fora também é uma grande vantagem, porque geralmente volto de carro no mesmo dia. Quando vou, costumo visitar o Aterro do Flamengo e o Pão de Açúcar, e ainda dá para pegar uma prainha."

Pedro acabou de chegar da Cidade do Panamá, onde disputou um Meio Ironman. Mesmo com o desgaste da competição, ele comentou que esticou a viagem mais dois dias para se divertir com a mulher e um grupo de amigos. "Pretendo fazer outra competição internacional no próximo ano que será atrelada ao passeio turístico."

Atrativos

Hugo Amaral, 27, treinador e atleta - foi terceiro colocado no circuito XTerra Brazil, em Búzios, e na corrida de montanha El Cruce, no Chile, ambos em 2013 -, acredita que as viagens estimulam as pessoas a competir. O técnico ressaltou que o turismo é fundamental e ajuda a inspirar os esportistas. "Tenho muitos alunos que dão preferência a provas em lugares turísticos. Além de praticar, eles levam suas famílias e fazem disso uma diversão."

A possibilidade de aliar esporte e turismo também influenciou a mãe do treinador, Maristela Amaral, 52, a começar a correr. Ela já acompanhou o filho em diversas viagens. "Meu interesse pelo esporte começou há oito anos. Conhecer lugares novos e diferentes aguçou minha vontade de estar inserida nesse meio. Participei da Meia Maratona de Miami, nos Estados Unidos, em 2011. Fui para correr, mas nada me tirou o direito de passear", brincou.

No início da carreira de Hugo, ele também optava por competir em cidades mais atrativas para desvendar roteiros e conhecer atletas de outros países. "Em uma das últimas provas que participei, a El Cruce, passei perto de vulcões, e isso é uma experiência única." Ele lembrou ainda que, no Brasil, o XTerra Brazil é um exemplo de prova que acontece apenas em cidades turísticas, próximo à natureza, como Ilhabela,Tiradentes e Araxá. "Isso também chama mais a atenção de quem vai assistir às competições", completou.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?