JF. sexta-feira 23 jun 2017
OUÇA AGORA
Publicidade
17 de fevereiro de 2017 - 11:49

Mulher atingida em tentativa de furto a caixa eletrônico continua no HPS com bala alojada

Por Tribuna

Familiares e amigos da mulher de 37 anos atingida por um disparo de arma de fogo em uma tentativa de arrombamento a um caixa eletrônico da agência do Banco do Brasil, no Centro de Matias Barbosa, na madrugada da última terça-feira (14), reclamam da demora na retirada do projétil, alojado na região cervical. Após receber os primeiros socorros na cidade vizinha, Clarice Alves Vale foi encaminhada ao HPS, onde permanece internada. “Desde que chegou ao HPS, ela só está tomando soro. Estamos preocupados, porque ela começou a ter febre e agora está com infecção urinária”, relata temerosa uma amiga da família, que pediu para ter o nome preservado. “Para uma pessoa que deu entrada no hospital com uma bala alojada no ombro, o quadro dela está se agravando”, avalia.

A Tribuna entrou em contato com a Secretaria de Saúde, que informou, através de nota, que a paciente vem recebendo a assistência necessária. “Desde sua admissão, a paciente encontra-se no leito 109 da Sala de Urgência”, informa o texto. A não retirada do projétil, segundo a assessoria de comunicação da pasta, deve-se à indicação do tratamento. “De acordo com a neurocirurgia, o tratamento, por enquanto, será conservador (e não cirúrgico), pois a melhor indicação, ao menos por enquanto, não é cirúrgica.” A Secretaria de Saúde confirmou o quadro de infecção urinária, mas disse que a paciente já está recebendo o tratamento necessário.

Clarice mora no segundo andar do prédio em que fica localizada a agência. Por volta das 5h, ela teria percebido a movimentação dos criminosos que tentavam arrombar o caixa eletrônico. Ao serem flagrados, eles atiraram em sua direção. Com a tentativa frustrada, o bando deixou a agência sem levar nenhuma quantia. A Polícia Militar fez buscas na região, mas nenhum suspeito foi encontrado. O caso segue sob investigação da Polícia Civil.

Publicidade


2 comentários

  1. antonio disse:

    se fosse um bandido os direitos humanos já estava dando maior apoio,já tinha recorrido para ganhar indenizações salario reclusão. mas como se trata de pessoas honesta e trabalhadora esta jogada em uma maca no HPS

  2. homero disse:

    Dependendo do local onde o projetil parou e o risco da cirurgia envolvido, em algumas situações, é preferível não retira-lo. Muitas pessoas passam toda a vida com projéteis em seu corpo com acompanhamento !

*

Restam 500 digitos

 

Top