Estudantes montam pontes papel

Os alunos do nono ano de 12 escolas públicas municipais da região Norte de Juiz de Fora participaram, nesta terça-feira (6), do 4° Concurso de Pontes de Papel, evento organizado pelo Programa de Educação Tutorial da Engenharia Civil (PET Civil) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que aconteceu no Planetário Insuflável no campus […]

Por Gláucia Simas

06/06/2017 às 19:07hs - Atualizada 06/06/2017 às 19:07hs

Os alunos do nono ano de 12 escolas públicas municipais da região Norte de Juiz de Fora participaram, nesta terça-feira (6), do 4° Concurso de Pontes de Papel, evento organizado pelo Programa de Educação Tutorial da Engenharia Civil (PET Civil) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que aconteceu no Planetário Insuflável no campus da universidade.

O professor Eloi Teixeira César, coordenador do Centro de Ciências da UFJF, destaca que o objetivo inicial é que os alunos conheçam a universidade e depois despertem o gosto pela Engenharia. “A ideia é mostrar que é um curso interessante.” Segundo o professor, a estimativa é que a próxima edição do concurso aconteça ainda este ano, no segundo semestre.

A montagem das peças surpreendeu os organizadores. Segundo Sarah Kirchmaier, integrante do grupo do PET Civil, apesar de os alunos não terem as técnicas da física e da matemática, conseguiram desempenhar um ótimo trabalho neste primeiro dia do concurso, que segue com atividades até esta quarta-feira. No sábado (10), haverá exposição dos projetos para avaliação final.

Os estudantes terão que construir uma ponte para suportar 10kg a partir de um projeto pronto entregue pelos organizadores. Todo o trabalho deve ser realizado num período pré-estabelecido. No final, é feita a avaliação. “Colocamos as pontes num pórtico com uma carga. Depois acoplamos um balde, onde vamos adicionando água e pesando. A ponte que resistir à maior carga é a vencedora”, explica Sarah.

A professora Elizabeth de Oliveira, da Escola Municipal Carlos Drummond de Andrade, relatou que o enriquecimento é grande para os alunos. “Eles não trabalham só a engenharia, mas também o cálculo. O concurso é bom, pois os estudantes têm a oportunidade de saírem do ambiente de sala de aula, podendo colocar em prática o que aprendem.

O conteúdo continua após o anúncio

Para o aluno Felipe Augusto, 14 anos, da Escola Municipal Henrique José de Souza, “o evento é muito legal, mas ao mesmo tempo difícil, pois não sabemos como montar e cortar as peças, então temos que pensar muito.”

O encerramento do evento acontecerá no sábado (10) na Praça CEU, às 9h.

 

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia