Publicidade

04 de Março de 2014 - 06:00

Por CLÁUDIO PELLINI VARGAS PROFESSOR

Compartilhar
 

Há algo, no mínimo, "estranho" na resposta da presidente Dilma ao ser questionada sobre o posicionamento do Brasil diante da crise na Venezuela no evento em Bruxelas. Entre evasivas discursivas (comuns de sua retórica), ela mais uma vez se perdeu. Ao afirmar que não deve se posicionar e interferir nas questões histórico-políticas do país, e por tentar - sutilmente - valorizar a política venezuelana do excêntrico Maduro, ela mostrou claramente ao mundo sua fraqueza moral (sempre abaixo de sua ideologia), para além da falta de coerência com sua própria história, enquanto afirma ter lutado por "liberdade" no governo militar. Não seria muito lembrar o posicionamento internacional de repúdio da Casa Branca contra as leis homofóbicas na Uganda.

Mas essa comparação é um mero detalhe diante do quadro econômico na América do Sul, e para o qual nosso Governo insiste em fechar seus olhos. O Brasil, em 2012, em vez de se aliar a países em busca de avanços no livre mercado, como o Peru, Colômbia e Chile, optou por aceitar a Venezuela no Mercosul, já deteriorado devido às ações equivocadas da economia argentina. A Aliança do Pacífico também inclui o México. Reunidos, representam 36% da economia da América Latina, já exportaram cerca de 60% a mais que o Mercosul e ainda eliminaram muitas tarifas de importação. Considerando a economia argentina em colapso e o Governo venezuelano reprimindo com violência a oposição, que podemos esperar? E por que Dilma se reportou dessa forma em importante conferência com a União Europeia? Teria relação com o financiamento do Porto em Cuba pelo BNDES ou com o pronunciamento de Lula a favor de Maduro e da memória do "fascismo esquerdista" de Hugo Chavez, que circulou na TV estatal da Venezuela? Ora, o fascismo é uma política "próxima" à extrema direita e à extrema esquerda simultaneamente. É o passo a mais para a covardia, seja qual for o lado do espectro político.

É sabido, ainda, que os países do Pacífico se uniram por se sentirem ignorados pelo Brasil e ameaçados pela Venezuela desde os tempos "áureos" das loucuras de Chavez. Estavam certos, pois suas economias continuam crescendo, com suas bolsas colidindo com a de São Paulo. Concluo, ao assistir as cenas brutais em Caracas, que o Brasil deveria deixar o "Maduro apodrecer" de vez.

E alerto ainda que, se o Governo voltar atrás, haverá um risco: os colegas sul-americanos podem não nos querer mais, pois o gigante brasileiro que os ignorou (esse mesmo que "acordou" em 2013 e que "comeu pizza" nos rolezinhos dos shoppings em 2014), pode até atrapalhar a integração que já existe. Afinal, e para além do futebol e do MMA, também somos muito bons de bagunça...

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?