Publicidade

04 de Julho de 2014 - 06:00

Por HENRIQUE DUARTE Colaborador

Compartilhar
 

Um grande equívoco como a construção desse aeroporto não se conserta com ações de cima para baixo, sem medir consequências. A população percebe a exclusão e arrogância do Governo de Minas ao forçar a Azul a deixar o Serrinha. Diante de tudo isso, a tendência é que a população de Juiz de Fora use esse aeroporto de forma muito esporádica, preferindo outras opções antes dele. Na verdade, nossa cidade se nega a engolir tamanho despropósito, obra tão inconsequente e com toda a razão!

Além do mais, o interior da Zona da Mata, por questões de logística, também não se encantou com o regional, que, inicialmente, era visto como uma boa opção de transporte aéreo, mas que hoje não atrai tantos usuários, que continuam fazendo, em sua boa parte, opção pelos aeroportos do Rio e de BH. Ou seja, com demanda sempre minguada, qual empresa colocará mais voos ali?

A Gol provavelmente não virá. O grande prejuízo gerado para manutenção do aeroporto e a necessidade urgente de transferi-lo para a iniciativa privada fizeram com que o Governo do estado utilizasse a mesma estratégia para alavancar Confins, abandonando o Aeroporto da Pampulha. Essa receita não dará certo aqui por causa principalmente da localização de Juiz de Fora, que tem a estrada e os aeroportos do Rio como boa alternativa aos voos que partem de Goianá.

O acesso da população de Juiz de Fora a Goianá é um problema sem solução. Está previsto um trem de BH para Confins ao custo de R$ 1 bilhão, que deve se concretizar dentro de poucos anos. E Goianá? Alguém imagina que vai acontecer a mesma coisa aqui? Não existe solução para o transporte de massa e barato de Juiz de Fora a Goianá. O ônibus é alternativa apenas paliativa, não resolve o problema definitivamente.

Tudo o que se faz em relação ao aeroporto regional é apenas uma forma de postergar, adiar o que já se sabe, mas não se admite: não funciona, não tem solução. As alternativas são aquelas além do transporte de passageiros, que devem ser estudadas e implantadas dentro de um projeto sério e bem-elaborado, não de forma amadora. Quanto ao transporte de passageiros, o Serrinha continua ali, aguardando investimentos para crescer sem parar e alavancar o desenvolvimento de Juiz de Fora e região.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor de fechamento de pista em trecho da Avenida Rio Branco para ciclovia nos fins de semana?