Publicidade

01 de Fevereiro de 2014 - 07:00

Por EQUIPE IGREJA EM MARCHA Grupo de leigos católicos

Compartilhar
 

Esta coluna completou 50 anos de publicação nos jornais de Juiz de Fora no dia 19 de janeiro, mas como nos diz o evangelista Lucas: "O espírito do senhor está sobre mim, por isso ele me ungiu e me mandou anunciar aos pobres uma mensagem, para proclamar aos prisioneiros a libertação e aos cegos a recuperação da vista, para colocar em liberdade os oprimidos e proclamar um ano da graça do senhor" (Lc 4, 18-20). Este é um ano de graça, e, por isso, nossas homenagens e nossas celebrações continuam. Hoje, em particular, queremos ressaltar e destacar o trabalho de quatro leigas católicas exemplares: Lêda Schmidt de Andrade, sua irmã Marília Schmidt de Araújo, Maria Vicentina Pinto de Moura e Nilza Nardelli Monteiro de Castro.

Essas mulheres tinham em comum o amor pela palavra de Deus e a necessidade de compartilhá-la com todos. Oriundas de um grupo que marcou a história da Igreja Católica no Brasil, a Ação Católica, elas não podiam ficar presas ao espaço doméstico, precisavam difundir o Espírito Santo pelo método em que acreditavam: ver, julgar e agir. Abandonando suas zonas de conforto, cada uma delas, ao seu estilo, contribuiu para que os leigos católicos de nossa cidade pudessem ter um espaço de reflexão e de conhecimento.

A primeira perda do grupo ocorreu com o falecimento prematuro, aos 51 anos, de Marília Schmidt de Araújo, que, junto com sua irmã Lêda Schmidt de Andrade, era responsável por abordar os problemas sociais que o nosso país e, em especial, nossos cristãos enfrentavam no dia a dia. Vale lembrar que durante 21 anos esse país enfrentou uma ditadura militar e a censura aos meios de comunicação. Mas isso não desestimulou o grupo, nem a morte de Marília. Pelo contrário, fortaleceu. Anos depois, a catequista do grupo Maria Vicentina Pinto de Moura faleceu, deixando uma nova lacuna. Franzina e pequena, Maria Vicentina não aparentava a guerreira que sempre foi.

As atividades ficaram restritas durante anos às duas últimas guerreiras do grupo inicial - Lêda Schmidt de Andrade e Nilza Nardelli Monteiro de Castro. Com os anos, as limitações físicas foram mais fortes, mas elas não desistiram e sempre foram o esteio e o sustento para aqueles que vieram a assumir este encargo. Hoje esta coluna presta sua homenagem e seu agradecimento a estas mulheres tão especiais e reafirma o compromisso de manter o legado deixado por elas. Nosso Jubileu é um tempo de paz e reconciliação, um tempo de festa e perdão. Um tempo de graça divina.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?