Publicidade

12 de Fevereiro de 2014 - 07:00

A violência que culminou na morte de um cinegrafista já estava programada, tal o descontrole das partes envolvidas

Por Tribuna

Compartilhar
 

A violência nas manifestações de rua, mais dia, menos dia, daria no que deu. A morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, foi consequência de um cenário antecipado. A truculência dos manifestantes e a reação, no mesmo nível, do aparato de segurança, tinham todos os ingredientes para uma ocorrência de tal gravidade. O que antes eram protestos para marcar posição sobre determinados eventos tornou-se uma guerra, independentemente da causa. O episódio do Rio é por conta do aumento das passagens do transporte coletivo.

A livre manifestação está assegurada em lei, mas em momento algum a Constituição diz que é possível utilizar todos os meios para ser visto ou ouvido. O modo como alguns setores estão agindo, como os chamados black blocs, ultrapassa os limites da urbanidade, sobretudo por agirem como bandidos ou serem usados pelos que aproveitam os eventos para praticarem furtos ou depredar o patrimônio público. Há, de fato, os que vão às ruas por mudanças, mas no meio deles, os infiltrados comprometem a causa.

O cinegrafista da TV Bandeirantes era um dedicado pai de família, com sonhos para o futuro e metas que foram traçadas com sua esposa. Foi pego no meio da manifestação por um gesto insano de um homem que não mediu as consequências de um foguete, mesmo sabendo que sua ação poderia resultar em algo grave. O disparo matou o profissional e atingiu também os demais manifestantes, agora vistos como párias pela própria sociedade, por não controlarem a turba.

O que ora ocorre no Rio de Janeiro é apenas um ensaio para os eventos da Copa do Mundo e do período eleitoral, apontando para articulações no sentido de não desautorizar os atos, mas fazer deles manifestações positivas. Ao mesmo tempo, o Estado tem que estar preparado para tais mobilizações, sobretudo por já ter aprendido que toda ação leva a uma reação. Se a polícia também ultrapassar os limites, a situação ficará fora de controle. E novas mortes, lamentavelmente, poderão ocorrer.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?