Publicidade

03 de Janeiro de 2014 - 07:00

Juiz de Fora espera consolidar este ano projetos que precisam sair do papel, para benefício direto da população

Por Tribuna

Compartilhar
 

Ao fechar o ano com 139 homicídios, a cidade teve um número recorde de crimes contra a vida consumados, que, certamente, será referência para novas ações do estado neste ciclo que começa. A primeira delas, embora o foco principal sejam os crimes contra o patrimônio, é a instalação das câmeras de segurança em áreas estratégicas da cidade, como foi anunciado pelo próprio Governo do estado. A questão é saber quando, uma vez que o projeto já passou por vários adiamentos. De 2014, porém, não pode e nem deve passar.

Além disso, durante sua última visita à cidade, embora não tenha trazido novidades, o secretário de Defesa Social, Rômulo Ferraz, anunciou novos investimentos nos ambientes de paz e implementação de projetos como os do Bairro Olavo Costa, que andaram a passos lentos. A região é uma das mais críticas da cidade.

O ano será atípico por conta de uma Copa do Mundo e de eleições, gerais, mas a cidade tem suas apostas. Além da segurança, a mobilidade será o tema da vez, pois está na agenda desde a gestão passada e só agora começa a sair do papel, como a construção de pontes e trincheiras. O prefeito Bruno Siqueira já avisou, porém, que só anuncia obra para a qual tem o dinheiro em caixa. E aí entra um novo fator. Juiz de Fora tem três deputados federais que podem ser atores nesse processo de repasses.

Mesmo não sendo todos da base do Governo - Margarida Salomão é do PT e Júlio Delgado (PSB), um aliado de candidatura própria, além do tucano Marcus Pestana -, será possível contar com eles na liberação de tais recursos. Afinal, têm em Juiz de Fora o seu principal reduto eleitoral. Neste caso, ganham todos, pois há tempos a cidade clama por tais investimentos.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?