Publicidade

17 de Junho de 2014 - 06:00

Com a realização das convenções, partidos oficializam seus candidatos; campanha, só depois da Copa

Por Tribuna

Compartilhar
 

Entre uma partida e outra da Copa do Mundo, os partidos realizam as suas convenções. O quadro está praticamente definido, com discussões apenas nos estados, mesmo assim, pontuais. Em Minas, a única pendência relevante envolve o PSB, que mudou sua postura no decorrer dos meses. Primeiro, numa articulação do senador Aécio Neves (PSDB) e do ex-governador Eduardo Campos (PSB), ficou acertado que os dois partidos caminhariam juntos já no primeiro turno. No percurso das conversas, e ante uma dissidência armada pelos seguidores de Marina Silva, por meio do ambientalista Apolo Heringer, haverá candidatura própria, possivelmente com o deputado Júlio Delgado.

A montagem dos palanques não significa, necessariamente, que a campanha já começou. O que se vê, hoje, são apenas discursos e comentários sobre as atitudes de um ou de outro candidato, na maioria das vezes, partidas da presidente Dilma Rousseff, protagonista do jogo político por estar no cargo e por representar o Partido dos Trabalhadores, ora no poder. Na abertura da Copa, ela foi xingada por pessoas que desconhecem o mínimo de civilidade. No caso, estava presente a instituição e não a candidata. Mesmo assim, numa condição ou em outra, ofensas não devem fazer parte da disputa.

Nem Aécio nem Eduardo Campos se solidarizaram com a presidente, considerando o gesto resultado das ações do Governo. Poderiam ter feito isso, sobretudo para apontar para os eleitores que a eleição é uma disputa e não uma guerra, embora haja, em todos os lados, os que assim entendem. O país está suficientemente maduro para considerar que a campanha eleitoral deve se ancorar em programas de governo e medidas que afetem diretamente a vida do cidadão. O velho estilo palanqueiro de promessas não cabe mais, e quem nele apostar pode se surpreender com a resposta das urnas. Muito menos enfrentamentos verbais, como há entre os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?