Publicidade

27 de Dezembro de 2013 - 07:00

Compartilhar
 

CANDIDATURA PRÓPRIA

Há cerca de um mês, em Belo Horizonte, quando fez um encontro envolvendo suas principais lideranças, o PMDB dedicou boa parte do evento a indicar que a aliança com o PT para o Governo do estado não é um processo consolidado, mesmo com as pressões de Brasília. Nos diversos discursos, inclusive do prefeito Bruno Siqueira, a candidatura própria à sucessão de Antonio Anastasia foi tema recorrente. E o nome seria o do senador Clésio Andrade, que não está disposto a tentar a reeleição do mandato que conquistou há quatro anos, com a morte do titular Eliseu Rezende. Clésio quer ser candidato a governador e defende o nome do empresário Josué Gomes da Silva, filho do ex-presidente José Alencar, para o Senado. Mas há um problema. Clésio é um dos réus do mensalão mineiro - foi candidato a vice de Eduardo Azeredo e sócio de Marcos Valério -, que, inevitavelmente, entra na agenda do Supremo Tribunal Federal no ano que vem. Condenado ou absolvido, ele estará no meio do turbilhão que marca esse tipo de julgamento, ainda mais sob pressão, agora, do PT.


Alternativa

O plano "B" do PMDB, se insistir na candidatura própria, seria o próprio Josué, mas este, em vez de ser um opositor do Governo, é o nome que o ex-presidente Lula tirou da Fiesp - ele mora em São Paulo - para fazer uma possível dobradinha com o ministro Fernando Pimentel, candidato ao Governo pelo PT. O empresário também estaria numa possível lista de candidatos ao ministério da presidente Dilma Rousseff, a partir do ano que vem. O certo é que, após deixar seus afazeres no território paulistano, ele não ficará ao relento em Minas Gerais.


Pela igualdade

Já está em vigor norma sancionada pelo governador Antonio Anastasia, na véspera do Natal, estabelecendo a igualdade de gênero, para coibir práticas discriminatórias nas relações de trabalho urbano e rural, bem como no âmbito dos entes de direito público externo, das empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias. Na justificativa, o governador diz que a meta é garantir que a inserção da mulher no mercado de trabalho ocorra em condições dignas, com respeito às especificidades femininas.


Pauta 2014

Como fará suas reuniões de janeiro na primeira quinzena do mês, a fim de garantir um recesso de 30 dias - até meados de fevereiro -, a Câmara já definiu as primeiras audiências públicas de 2014. A primeira delas, no dia 7, atende ao requerimento dos vereadores Ana Rossignoli e João do Joaninho, para debater a situação dos direitos e utilização do carro de apoio em Juiz de Fora. O segundo encontro será no dia seguinte, tendo na pauta o uso e a finalidade do Parque Halfeld. A proposta partiu do vereador José Fiorilo.


'Minha casa'

No dia 9, a audiência será para discutir a despoluição do Rio Paraibuna e demais córregos, além da implantação de água tratada em lugarejos e distritos. O requerimento é dos vereadores Julio Gasparette e João do Joaninho. O ciclo termina no dia 13, por iniciativa do vereador Luiz Otávio Fernandes Coelho (Pardal), com a discussão sobre os problemas ligados às invasões que estão ocorrendo em imóveis do programa "Minha casa, minha vida", do Governo federal. Serão convidados representantes da Prefeitura, por ser parceira, e da área de segurança.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?