Publicidade

31 de Dezembro de 2013 - 07:00

Compartilhar
 

DE OLHO NO CAIXA

Os 853 prefeitos mineiros devem ficar atentos a uma recomendação do Tribunal de Contas do Estado. De acordo com o jornal "Estado de Minas", foi instituída uma espécie de malha fina para fiscalizar as licitações e os contratos feitos com dinheiro público. O sistema, elaborado há cerca de três anos, mas só agora em operação, permite - tão logo sejam emitidas as notas de compra - comparar instantaneamente os preços praticados nos municípios com um banco de dados de cotações do mercado para os itens comercializados. A partir daí, é emitido um alerta para possíveis casos de superfaturamento. Prestes a assumir a presidência, o vice-presidente do TCE, Sebastião Helvécio, advertiu que o tribunal fiscaliza uma receita de cerca de R$ 85 bilhões, relativa a 3.342 jurisdicionados. "A ideia é a gente ser sentinela. O que queremos é impedir que aconteça o desvio, à medida que o gestor sabe que está sendo fiscalizado em tempo real. Renunciamos à intuição para recorrer a um sistema, e a grande diferença é que se pega o erro no momento em que ele ocorre", explicou.


Endereço

A advertência do conselheiro do TCE Sebastião Helvécio, embora direcionada a todos os prefeitos, visa, especialmente, aos titulares das prefeituras de municípios de pequeno porte, nas quais nem sempre há controle de gastos de acordo com normas do Tribunal. E não se trata de má intenção, mas, sim, de falta de quadros capazes de fazer tal serviço. Como o sistema, hoje, é interligado por meio da internet, o tribunal tem condições de detectar toda a movimentação, impondo multas aos infratores.


Dia morto

Ao contrário da véspera do Natal, quando o comércio fez hora extra, e as ruas estavam apinhadas por compradores de última hora, a véspera da virada do ano é praticamente morta em cidades sem vocação para o turismo. O comércio tem expediente normal, mas já sabe que as vendas serão baixas, pois nenhum órgão público trabalha, e os bancos estarão apenas com expediente interno para balanço. Ontem, sim, foi dia de correria aos caixas, sobretudo para os viajantes que vão pegar a estrada. Os supermercados também tiveram bom movimento.


Dívida na pauta

A Secretaria da Fazenda de Juiz de Fora, na própria página da Prefeitura na internet, revelou que no primeiro ano da atual gestão foram quitados ou cancelados aproximadamente 85% da dívida herdada do período tucano. Este era um dos principais gargalos do Executivo, uma vez que engessava a execução de diversos projetos. O prefeito Bruno Siqueira tinha como meta sanear o caixa já em 2014. Somente com a saúde financeira recuperada é que a Prefeitura terá meios de realizar obras de grande porte.


Antecipou

Os políticos também saíram de cena, salvo aqueles que utilizam a internet, na qual apresentaram suas preocupações com as chuvas e seus efeitos na cidade, como foram os casos de Wanderson Castelar e Noraldino Júnior. Os trabalhos do Legislativo começam já na primeira quinzena de janeiro, uma vez que, com a antecipação, será possível fazer um recesso de mês inteiro. O carnaval, que mexia na agenda dos vereadores, vai cair na primeira quinzena de março, sem comprometer o período de reuniões.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?