Publicidade

02 de Fevereiro de 2014 - 07:00

Compartilhar
 

FORA DA MESA

Um café da manhã, na última quinta-feira, no Palácio das Mangabeiras, comandado pelo próprio governador Antonio Anastasia e com a presença do ex-ministro Pimenta da Veiga, criou um clima de desconforto com o deputado Marcus Pestana. Presidente do diretório estadual do PSDB, o mesmo do governador e de Pimenta, ele não foi convidado para o evento, embora dirigentes das siglas aliadas tenham sido chamados. Tratou-se de tudo, inclusive de uma chapa completa a ser anunciada no dia 17, tendo Pimenta como candidato ao governo, o deputado Dinis Pinheiro (PP) como vice e o governador como nome para disputar o Senado. Em Juiz de Fora, onde passa o fim de semana, Pestana não escondeu seu descontentamento, pois sequer foi convidado para um evento em que ele era parte diretamente interessada não apenas por ser presidente do PSDB, mas também, como Pimenta da Veiga, por ser postulante ao Governo. Particularmente, ele acha um equívoco lançar a chapa completa agora, quando ainda há vários acordos a serem fechados. "Deveriam lançar apenas o candidato a governador", observou.


Com Bruno

Pestana, como o Painel informou ontem, esteve no gabinete do prefeito Bruno Siqueira, na sexta-feira, com quem, por quase duas horas, falou sobre diversos temas, inclusive sobre projetos do estado em execução na cidade. O foco, porém, foi seu próprio projeto político. Quando se lançou pré-candidato a governador, a primeira autoridade que procurou foi o prefeito de Juiz de Fora - seguindo um ritual de Itamar Franco - para só depois visitar outras regiões. "Assim como comecei, vim, agora, terminar minha jornada com o chefe do Executivo da minha cidade", enfatizou.


Mais bombeiro

O dirigente tucano se diz sereno, a despeito do jogo de atores políticos, nos bastidores, contra a sua candidatura. Em tese, segue no páreo, mas deve se manifestar ainda esta semana, depois de aferir a opinião de seu grupo político na cidade e em outros municípios. Também nos próximos dias deve ocorrer uma nova reunião com os partidos aliados, mas ele, a essa altura das articulações, não sabe se será chamado. Questionado sobre o que achava, preferiu o silêncio, provavelmente para não colocar mais lenha na fogueira.


Fogo amigo

Pestana não estimula o embate interno, mas pessoas a ele mais próximas veem no secretário de Governo, Danilo de Castro, o ponto fora da curva na sua pretensão política. Não é de hoje que ambos não escondem suas diferenças, mas não havia nada, além de discordâncias, que levasse a situação a esse ponto. Essas mesmas pessoas apontam que até mesmo as caravanas dirigidas por Pestana foram monitoradas por escalões do Governo, que teriam até mesmo desestimulado prefeitos a participarem. Não se sabe se o governador conhece as articulações.


Concorrência

A licitação para contratação de empresa de logística para distribuição de remédios, realizada pela Comissão de Licitação da Prefeitura, continua rendendo. Na tarde da última sexta-feira, o presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, Wanderson Castelar, recebeu representação de uma das empresas derrotadas, questionando o resultado. O mesmo documento, segundo a empresa, seria encaminhado também ao promotor de Saúde, Rodrigo Bastos, ao Conselho Municipal de Saúde, ao Conselho Regional de Farmácia e à própria Comissão de Licitação.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você participa das celebrações da Semana Santa?