Publicidade

11 de Março de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

LENHA NA FOGUEIRA

A visita do presidente do PSDB, deputado Marcus Pestana, ao presidente em exercício do PMDB estadual, Saraiva Felipe, foi um gesto oficial do PSDB, cuja meta, mesmo se não houver acordo, é ampliar o clima de insatisfação entre os peemedebistas mineiros. Pestana foi convidar Saraiva a avaliar um cenário em que o aliado, em vez do Partido dos Trabalhadores, sejam os tucanos. Não se trata de uma mudança fácil, pois há pressão da cúpula nacional e interesse direto do presidente oficial, ministro Antônio Andrade, em se coligar com o PT, a fim de ser ele o candidato a vice-governador. Mas os tucanos trabalham com a possibilidade de haver acordos estaduais independentemente da situação nacional, isto é, o PMDB pode até continuar apoiando a reeleição da presidente Dilma Rousseff, mas teria mobilidade para escolher o aliado nos estados. O pleito é o mesmo da Bahia e do Rio de Janeiro.


Respeitoso

Antes da reunião, o presidente do PSDB esclarecia que se tratava de uma visita respeitosa, com uma abordagem muito cuidadosa do quadro político mineiro, mas lembrava que havia mais identidade entre tucanos e peemedebistas do que destes com os petistas. Citou o caso do próprio candidato ao Governo, o ex-ministro Pimenta da Veiga, que foi um dos fundadores da legenda. Ele próprio também já pertenceu ao partido. "Será um convite de forma respeitosa." Para ele, ninguém governa sem o PMDB.


E o vice?

Na conversa com Saraiva Felipe, uma das indagações feitas ao presidente do PSDB, Marcus Pestana, foi se havia possibilidade de a chapa tucana abrir espaço para um candidato a vice-governador. Em entrevista, logo após o encontro, Pestana foi enfático: "Toda parceria tem que ter raízes profundas. Tem que ter solidez. Então, vamos discutir programa, coligação proporcional, participação no Governo e participação na chapa majoritária. Ainda é um momento extemporâneo, e esta questão ainda não está colocada, porque foi só um passo inicial".


Juventude

Cerca de 70 municípios já confirmaram presença no encontro que a Juventude Petista de Minas realiza entre os dias 14 e 16 deste mês, em Belo Horizonte. "Minas que a juventude quer", nome do evento, vai discutir, sobretudo, a atuação da militância na campanha do candidato Fernando Pimentel. "O objetivo é dialogar com os jovens do partido de todo o estado, ocupar o lugar de honra que a juventude sempre ocupou nas discussões políticas", destacou o secretário estadual de Cultura do PT estadual, Bruno Roger Ribeiro.


E o PP?

A indicação do candidato a vice, no entanto, é algo praticamente consumado, pois o atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Dinis Pinheiro, antes filiado ao PSDB, mudou de legenda antes do encerramento dos prazos e migrou para o Partido Progressista. Com isso, sem o risco da chapa pura, ele se cacifou para ser o vice, dando continuidade ao projeto do seu partido, que, a partir do dia 4 de abril, vai assumir o Governo de Minas com o vice-governador Alberto Pinto Coelho. Em aberto, porém, está a primeira suplência ao Senado, cujo candidato será o governador Antonio Anastasia.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a proibição de trote nas ruas de JF, como prevê projeto aprovado na Câmara?