Publicidade

28 de Março de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

DAQUI PARA FRENTE

A transferência para Minas da ação penal contra o ex-deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que renunciou ao cargo para fugir da cassação do mandato e da consequente inelegibilidade por oito anos, definida ontem, com o voto contra apenas do ministro Joaquim Barbosa, terá repercussões, embora este caso saia da alçada do STF. Os ministros, por unanimidade, entendem que é preciso mudar regras, a começar pelo fim desse artifício. Processado pelo mensalão mineiro, de 1998, o deputado se viu no meio de um debate entre tucanos e petistas. Estes, argumentando que o parlamentar deveria seguir o mesmo destino dos condenados do mensalão. O STF pretende estabelecer, para casos semelhantes, daqui por diante, que renúncias com o fim claro de evitar a degola não devem interromper o caso e nem mudar a sua jurisdição. Outra alteração deve ser a redução do número de beneficiados pelo foro privilegiado. Um simples caso de calúnia envolvendo deputados ou ministros fica por conta do Supremo, que deveria cuidar apenas de grandes causas ou de impasses constitucionais.


Recado

Flertando com o apoio tucano, e em briga direta com o Partido dos Trabalhadores por causa de sua pretensão de disputar o Governo de Minas, o senador Clésio Andrade (PMDB) assinou a lista para a instalação da CPI da Petrobras. Foi um recado direto ao petista Fernando Pimentel e ao seu próprio colega de partido Antônio Andrade - presidente do diretório -, que defende a aliança com o PT já no primeiro turno das eleições. A dúvida é saber se o senador vai resistir às pressões de Brasília, vindas, inclusive, da direção nacional do PMDB.


Divisão

Dividido por causa da sucessão estadual, o PMDB vai adotar uma saída salomônica para os dois programas na televisão a que o partido tem direito. A primeira exibição, prevista para hoje, vai atender ao grupo capitaneado pelo senador Clésio Andrade, defendendo a candidatura própria à sucessão de Antonio Anastasia. Na semana que vem, a segunda apresentação vai contemplar o grupo liderado pelo presidente do diretório estadual, Toninho Andrade. Desta vez, serão feitas críticas ao PSDB, avisando que a aliança com os tucanos é totalmente inviável.


Homenagem

O ex-deputado Clodesmidt Riani, 93 anos, continua recebendo homenagens. Hoje, em Belo Horizonte, ele vai emprestar seu nome à sede da Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais de Minas Gerais. Em entrevista à Feserp-MG, Riani se considerou honrado. "Graças a Deus, já recebi muitas homenagens, mas esta é especial, principalmente porque sei que a federação está no caminho certo, e é uma entidade que faz defesa da classe trabalhadora." O presidente da entidade, Cosme Nogueira, considera que é preciso preservar o nome de Riani para as próximas gerações.


JF também

Juiz de Fora também está na agenda do arcebispo metropolitano dom Gil Antônio Moreira, que pretende fazer um périplo pela região para abordar a Campanha da Fraternidade. Ele visita a Câmara Municipal na manhã de hoje, quando falará do mesmo tema. Na ocasião, porém, também participará das homenagens que o Legislativo fará, por meio de moção, à catequese, à Igreja de São Sebastião e ao Seminário Santo Antônio, que estão aniversariando. Dom Gil vai se encontrar com os vereadores às 9h30.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?