Publicidade

05 de Abril de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

MESMO RUMO

Na solenidade de ontem, alguns pontos chamaram a atenção, a começar pela primeira entrevista do novo governador. Ele assegurou a continuidade dos projetos da administração Anastasia, uma vez que seu partido, PP, teve atuação expressiva nas articulações. Os projetos ora em curso não lhe são estranhos, não havendo, então, necessidade de reformá-los. Alberto será estratégico também no projeto do senador Aécio Neves, que terá Minas como referência na sua campanha presidencial. Vencer em seu estado e eleger o ex-ministro Pimenta da Veiga tornou-se questão de honra. Ao ser indagado sobre as mudanças, foi enfático: "É um governo que dá continuidade, que tem o mesmo norte, a mesma filosofia, os mesmos princípios, e, naturalmente, o que nós pretendemos é levar a cabo até dezembro deste ano o legado deixado pelo governador Antonio Anastasia. Naturalmente, imprimindo o nosso ritmo, as demandas da sociedade e buscando dar celeridade aos programas e ações de governo".


Secretariado

Embora seja sábado, o governador Alberto Pinto Coelho dá expediente no Palácio da Liberdade, hoje, quando, em entrevista coletiva, anunciará o seu secretariado. As mudanças serão pontuais, mas a novidade será a ausência da ex-ministra Dorothéa Werneck, considerada uma das mais fortes da gestão Anastasia. Provavelmente, ela também será incorporada à equipe que vai elaborar o programa de governo do senador Aécio Neves, coordenado pelo professor Antonio Anastasia. O ex-prefeito Custódio Mattos vai assumir a pasta das relações institucionais.


Fator Aécio

Para dar prova de sintonia, a mudança de cargo teve um elemento atípico: o senador Aécio Neves se postou entre o governador que saía e o que tomava posse na sacada do Palácio da Liberdade. Mais do que isso, discursou enaltecendo as qualidades de Antonio Anastasia, com quem vai continuar trabalhando, e as virtudes do sucessor, Alberto Pinto Coelho. Aécio fez questão de enfatizar a unidade mineira e a mudança de atores sem alterar a rota da administração.


Fidelidade

No seu discurso, o ex-governador Antonio Anastasia, além de não esconder a emoção - o que já tinha ocorrido na véspera, quando se despediu da sua equipe -, destacou que estava consciente do dever cumprido e ressaltou a questão política. "Ao concluir a minha honrosa tarefa, gostaria de agradecer a muitos, a milhões, a todos. Ressalto, todavia, a figura maior de líder do senador Aécio Neves, em cujo destino, confiam os mineiros, está a esperança maior de nossa terra alterosa e brasileira."


Não sai

Como já era esperado, o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, descartou sua candidatura ao Governo, como chegou a ser especulado nos últimos quatro dias. Ele sofreu forte pressão de aliados descontentes com a aliança com os tucanos, mas manteve o discurso de apoiar Aécio Neves, que foi seu padrinho nas duas vitórias para a Prefeitura de Belo Horizonte. O deputado Júlio Delgado, presidente do diretório estadual do PSB, e o próprio governador Eduardo Campos também tiveram papel decisivo na manutenção do quadro.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?