Publicidade

16 de Abril de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

REAÇÃO DE GRUPO

Uma inserção do PSDB, na qual o pré-candidato à Presidência Aécio Neves é o protagonista, falando de sua gestão quando governador, causou profundo mal-estar no grupo do ex-presidente Itamar Franco. É que, numa de suas falas, Aécio teria dito que, quando assumiu em 2002, encontrou um governo falido. Foi a gota d'água, pois a administração anterior era justamente a de Itamar, que, por sinal, patrocinou a candidatura do tucano à sua sucessão. Alguns interlocutores, em tom bastante indignado, afirmaram que Aécio falou uma inverdade e cometeu o gesto da ingratidão. O estado tinha problemas próprios de qualquer gestão, mas sem entraves por ele citados. Ao contrário, dizem, graças a Itamar, a Cemig saiu da uma privatização perversa e tornou-se uma das empresas mais rentáveis do setor elétrico. Os itamaristas também citaram a inquietação dos servidores públicos na gestão Eduardo Azeredo e, principalmente, a Polícia Militar, que chegou a fazer uma greve histórica. Itamar a pacificou. O recado do grupo chega, coincidentemente, no momento em que a equipe de Aécio faz pesquisa para avaliar a repercussão dos programas.


Tomou posse

Uma semana depois de sua indicação, o ex-prefeito Custódio Mattos - que estava em viagem ao exterior - tomou posse ontem na Secretaria-Geral da Governadoria. No seu primeiro dia de trabalho, ele se encontrou com o governador Alberto Pinto Coelho, de quem recebeu as primeiras missões. A pasta, em princípio, é responsável formal pela gestão interna do Governo, mas, para isso, será nomeado um adjunto. Custódio vai atuar na coordenação de investimentos e articulação na área social, além de preparar a convergência da administração e a instância política.


Visitas

O prefeito Bruno Siqueira tem se dedicado a visitas a obras e contatos com a comunidade, além de assegurar a presença dos secretários nas câmaras itinerantes, como ocorreu na segunda-feira. Ontem, ele esteve na construção que vai abrigar uma creche para 120 crianças, em tempo integral, na Vila Esperança 2. Em seguida, conferiu as instalações do Centro de Artes e Esportes Unificados, no Bairro Araújo. Nos dois casos, as inaugurações estão previstas até o meio do ano.


No palanque

Até o preço das tarifas de energia elétrica será tema de campanha. O Governo de Minas adotou uma estratégia inédita para justificar o aumento das contas em 14,76%. A publicidade oficial, pela primeira vez, diz que a responsabilidade é do Governo federal. A reação foi rápida. Os petistas, além de criticarem o reajuste, acusam o Executivo mineiro, que até o início do mês era chefiado pelo PSDB, de tentar transferir a culpa pelo aumento ao Governo federal.


Argumentos

Em nota assinada pelo presidente do diretório estadual, deputado Odair Cunha, os petistas dizem que "a verdade, que novamente não está ao lado da propaganda tucana, é que a Cemig solicitou um aumento de quase 30% na conta de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), discordando dos argumentos apresentados pela estatal para reajustar as tarifas, concedeu um reajuste de 14,7%, metade do que solicitou a companhia". O PSDB insiste, porém, que a Aneel deu aumento semelhante a outros estados.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?