Publicidade

15 de Junho de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

PESQUISA

Nova pesquisa do Instituto Sensus mostra mais uma queda nas intenções de voto para a presidente Dilma Rousseff (PT). No levantamento divulgado pela "IstoÉ", a presidente caiu de 34%, em abril, para 32,2%, em junho. Já o senador Aécio Neves (PSDB) subiu de 19,9% para 21,5%. O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) praticamente se manteve estável, com pequena retração, mas dentro da margem de erro de 1,4 ponto percentual, passando de 8,3% para 7,5%. A pesquisa, que também considera as candidaturas de nanicos, aponta menor número de votos brancos, nulos e indecisos, que passaram de 33,9% para 28,8%. No placar de segundo turno, Dilma continua ganhando, mas a diferença diminuiu entre os opositores. Na disputa com Aécio, por exemplo, os percentuais ficam entre 37,8% para a petista e 32,2% para o tucano. Anteriormente, a presidente ganharia de 38,6% contra 31,9%. A pesquisa foi feita entre 26 de maio e 4 de junho, com cinco mil eleitores e em 191 cidades.


Em campo

Foi só a bola começar a rolar nos gramados que os parlamentos brasileiros entraram em estado de letargia país afora. Diferentemente dos partidos, que devem ter agenda agitada até o dia 30, por conta dos limites impostos pela legislação eleitoral para a realização das convenções e homologação das chapas para a disputa de outubro. Ontem foi a vez de o PSDB oficializar a candidatura de Aécio Neves à Presidência. No palanque, além do ex-presidente Fernando Henrique e do ex-senador Tasso Jereissati (CE), o mineiro contou com a presença dos tucanos paulistas José Serra, do senador Aloysio Nunes e do governador Geraldo Alckmin.


Aliança

Em Minas, além do PT e do PMDB, que em ato conjunto selaram aliança na Assembleia Legislativa, o PRB também bateu o martelo em apoio à candidatura do petista Fernando Pimentel e do seu vice, o ex-ministro Antônio Andrade (PMDB), na disputa pelo Palácio Tiradentes. PCdoB, PRB e o PROS ainda integram a aliança. Na sexta-feira, por sua vez, o PDT já tinha confirmado apoio ao tucano Pimenta da Veiga, candidato pela chapa governista. Para a corrida ao Palácio do Planalto, dois candidatos estreantes entraram oficialmente na partida ontem: o PV, com o ex-deputado federal Eduardo Jorge, e o PSC, que lançou o nome do pastor Everaldo Dias Pereira.


Sem disputa

O deputado Júlio Delgado já se apresenta como candidato ao Governo pelo PSB não só nas críticas até aos tucanos, como o Painel registrou, mas também na postura. Depois de ter gravado programa do partido postado no meio de Eduardo Campos e Marina Silva, ele considerou que não havia melhor sinalização. Mesmo assim, o que se diz nos bastidores é que ele quer chegar à convenção do partido com sua candidatura confirmada, sem disputa com Apolo Heringer, ligado à ex-ministra Marina Silva. Caberá a ela remover o correligionário da Rede para selar a paz.


É Pimentel

O Painel errou ao dizer que a deputada federal Margarida Salomão (PT) participou da convenção do ex-ministro Pimenta da Veiga (PSDB). Na verdade, a convenção realizada neste sábado, em Belo Horizonte, do Partido dos Trabalhadores, referendou a candidatura de Fernando Pimentel. A deputada reunirá sua militância em Juiz de Fora amanhã para fazer sua prestação de contas do mandato, repetindo encontro do ano passado, quando também apresentou aos correligionários as ações que desenvolveu no Congresso Nacional.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?